Comboio Histórico: uma viagem a todo o vapor no coração do Douro

Ligação ferroviária de 36 quilómetros, entre a Régua e o Tua, regressa hoje para a primeira de 50 circulações neste ano. O produto turístico de maior sucesso na oferta da CP

Entre socalcos e vinhedos, um comboio a vapor cruza uma das mais belas paisagens de Portugal.

A imagem, idílica, parece saída de um filme de época ou de uma sequência de pinturas campestres. Na verdade, é uma experiência que pode ser vivida em pleno Douro a partir de hoje.

Da Régua ao Pinhão e daí até ao Tua, percorrendo a linha férrea junto às margens do rio, num percurso de 36 quilómetros no coração do Alto Douro Vinhateiro, paisagem classificada pela UNESCO como Património Mundial da Humanidade.

A viagem pelo coração do Reino Maravilhoso, como escreveu Miguel Torga, faz-se num comboio composto pela locomotiva a vapor 0186, uma relíquia construída em 1925 pela Henschel & Son, com cinco carruagens históricas, de madeira, totalmente recuperadas.

São 250 lugares disponíveis num trajeto ferroviário que parece cruzar a linha do tempo. Essa sensação acentua-se ainda mais a partir deste ano, em que regressa a locomotiva a vapor (desde 2013 havia sido uma locomotiva a diesel), numa troca que, além da estética e do valor histórico, é vista pela Comboios de Portugal (CP) como "uma solução mais eficiente do ponto de vista operacional e energético", com naturais reflexos na sua sustentabilidade económica.

"Esta é uma viagem única ao passado e ao presente de uma região que é, reconhecidamente, um dos maiores atrativos turísticos da Europa", afirma ao DN Ana Portela, responsável pelo gabinete de comunicação da CP, salientando que o Comboio Histórico do Douro é procurado por cada vez mais por turistas, sobretudo portugueses, que representam mais de 80% do total (ver destaques).

A responsável sublinha o grau elevado de satisfação dos passageiros, que se tem repercutido no aumento do número de viagens ano após ano: "Este é o produto turístico de maior sucesso na oferta da CP, facto que tem levado ao aumento do número de viagens realizadas todos os anos - em 2014, realizavam-se 18 viagens, em 2015 foram 30, em 2016 as viagens aumentaram para 40 e, para 2017, estão previstas 50. Toda esta evolução foi sempre acompanhada pelo aumento da procura e das taxas médias de ocupação do comboio."

O regresso do vapor

A exploração comercial do Comboio Histórico do Douro por parte da CP começou na década de 1990, ainda de forma incipiente.

Em 2013, a antiga locomotiva a vapor foi retirada do percurso para proceder à sua adaptação às exigências ambientais. De modo a tornar o comboio mais eficiente, deu-se a substituição temporária por uma locomotiva diesel da década de 1960 (fabricada em 1967).

No entanto, quatro anos depois, a icónica locomotiva a vapor vai voltar a pontificar no Comboio Histórico do Douro. A nova caldeira, uma reprodução da original, faz que a energia de propulsão seja gerada pelo aquecimento da água e não pelo carvão, o que permite o funcionamento com menos fumo, sem cinza e sem riscos de incêndio.

A novidade ajuda à promoção desta viagem e do próprio destino. De acordo com os dados facultados pela CP ao DN, a campanha do Comboio Histórico tem sido um sucesso.

Os números têm crescido substancialmente em termos de taxa de ocupação: de 2672 passageiros em 2013 para 6202 em 2015, numa média de 207 passageiros por comboio.

Em 2016, como consequência natural de um aumento do número de circulações, foram transportados 9152 passageiros, subindo mais uma vez a ocupação média por comboio para os 218 passageiros. Agora, graças também ao incremento turístico no Porto, mas também à crescente divulgação do Douro como destino, as perspetivas são otimistas para a operação deste ano.

Entre 3 de junho e 29 de outubro haverá 50 circulações, sobretudo aos fins de semana (22 sábados e 22 domingos). Nos dias marcados (ver destaques), o comboio parte às 15.22 da estação do Peso Régua e chega ao Tua uma hora e onze minutos depois.

Durante a viagem há animação a bordo por um grupo de cantares regionais, distribuição de rebuçados da Régua e degustação de vinho do Porto e tanto na viagem de ida como na de regresso faz-se uma paragem no Pinhão (estação intermédia no percurso de 36 km) para contemplar a bela paisagem duriense e visitar a uma wine house, onde os visitantes poderão adquirir produtos regionais.

Todo um programa por um preço do bilhete simples (há também packs, ver nos destaques) de 42,50 euros. Já valor de mergulhar no Douro à boleia de um comboio quase centenário, esse, é incalculável.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.