Cientistas portugueses a caminho da Antártida

Avião fretado pelo PROPOLAR, o programa polar português, assegura o transporte de 101 cientistas de vários países para o continente gelado no hemisfério sul

Mais de uma centena de cientistas de vários países, incluindo de Portugal, partiram hoje de Punta Arenas, no Sul do Chile, rumo à Antártida, num voo fretado pelo programa polar português PROPOLAR, para mais uma época de investigação científica no terreno.

Portugal contribui assim pela sétima vez na logística científica para as campanhas científicas internacionais na Antártica.

Neste voo assegurado pelo PROPOLAR, quatro dos 101 cientistas que foram transportados são portugueses. Os restantes pertencem dos programas científicos desenvolvidos naquele continente gelado pela Bulgária, Espanha, China e Coreia do Sul.

Sem infraestruturas próprias na Antártida, Portugal apoia-se na cooperação internacional que estabeleceu ao longo da última década com países como a Argentina, Brasil, Chile ou Bulgária, entre outros, para todos os anos ter os seus próprios investigadores a trabalhar no terreno. O voo para transporte de cientistas e de material que Portugal assegura desde há sete anos integra-se na colaboração estabelecida.

Os cientistas portugueses que este ano participam na missão vão, entre outras tarefas, recolher dados sobre o permafrost (o solo gelado), à semelhança do que já aconteceu nos anos anteriores. As séries de dados, recolhidas desde há vários anos pelas equipas portuguesas, permitem uma análise detalhada da evolução deste solo gelado, relacionando o seu comportamento com o problema das alterações climáticas.

Outra das questões que vai estar em estudo por parte dos cientistas portugueses durante esta missão, que decorre até ao fim de março, prende-se com a captação de imagens por drones, para melhorar substancialmente a qualidade da cartografia naquela região.

Exclusivos

Premium

Liderança

Jill Ader: "As mulheres são mais propensas a minimizarem-se"

Jill Ader é a nova chairwoman da Egon Zehnder, a primeira mulher no cargo e a única numa grande empresa de busca de talentos e recursos. Tem, por isso, um ponto de vista extraordinário sobre o mundo - líderes, negócios, política e mulheres. Esteve em Portugal para um evento da companhia. E mostrou-o.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.