Cáritas apoiou com mais de 641 mil euros pessoas carenciadas em três anos

Ajudas foram prestadas em dinheiro, bens essenciais, acompanhamento processual, formação e criação de postos de trabalho.

A Cáritas Diocesana de Lisboa (CDL) distribuiu, em apoios monetários, mais de 641 mil euros a pessoas com dificuldades financeiras, entre 2014 e 2016, segundo um relatório divulgado esta quinta-feira.

No documento, a Cáritas de Lisboa refere que as ajudas em dinheiro, em bens essenciais, acompanhamento processual de pessoas, horas de formação e criação de postos de trabalho, são parte essencial da sua missão.

"Na verdade, o que seria de alguém sem a renda da casa em dia, sem eletricidade, gás ou água em casa, sem a medicação necessária ao combate à doença, um simples título de transporte e algum dinheiro?", referem.

Assim, lê-se, nos últimos três anos foi distribuído um apoio em dinheiro efetivo de 641.270 euros, com os Grupos de Ação Social a atenderem 3.364 pessoas, tendo sido distribuídos 14.776 euros a pessoas sem acesso a dinheiro algum, enquanto os donativos a particulares totalizaram os 69.700 euros.

O relatório indica ainda que as famílias são apoiadas por mais de 30 paróquias da diocese, o correspondente a 311.966 euros.

As instituições em dificuldade receberam 237.370 euros, com 29 mil horas de formação, tendo abrangido 1.295 voluntários e técnicos, em 51 sessões.

Cerca de 800 pessoas são abrangidas pelos atendimentos feitos diretamente pela "Loja Solidária" e receberam roupas, calçado, alimentos, brinquedos e outros materiais disponíveis na loja.

"Só em alimentos, a CDL distribuiu, neste últimos três anos, uma média de 4,5 toneladas, e a colaboração com o Centro Social e Paroquial da Buraca, no combate a carências alimentares, já totaliza os 7.458 euros, desde 2015", refere o relatório.

Quanto ao acompanhamento a imigrantes, foram realizados 2.536 atendimentos a pessoas de mais de 20 nacionalidades, com a intenção de as ajudar a resolver dificuldades na regularização do visto de permanência, na obtenção da nacionalidade portuguesa, na procura de trabalho e no reagrupamento familiar.

A Cáritas sublinha ainda que assume o diferencial em situações em que a Segurança Social não chega, quando as famílias não conseguem pagar pela totalidade de um serviço prestado, seja num lar, creche ou cantina social.

"Só em 2014, o custo da estrutura de suporte à atividade da CDL foi de 178.224 euros, dos quais 156.599 euros não foram subsidiados e, em 2015, o seu custo foi de 322.468 euros, não sendo subsidiados 296.531 euros", lê-se.

Também em 2015, o relatório da Cáritas informa que não foram suportados 15.605 euros (lar), 20.585 euros (creche) e 20.092 euros (cantina social).

"E o ano de 2016, ainda por fechar, perspetiva-se mais oneroso", acrescenta.

O relatório da Cáritas de Lisboa conclui que "o fim do período de resgate nunca foi sinónimo do fim do desemprego, da pobreza, da austeridade, do endividamento", dando conta de que "a situação continua dramática" para os jovens, mas, sobretudo, para as pessoas entre os 30 e os 60 anos.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.