Campolide vai pagar lixo reciclável... em moeda "local"

Junta de Freguesia vai entregar notas de valor equivalente a um euro, que só podem ser usadas no comércio tradicional, por cada quilo de material reciclável

São 3500 notas de produção própria, numeradas, marcadas com o selo branco da freguesia. Chamam-se "lixo" e vão servir para isso mesmo: por cada quilo de lixo reciclável que os habitantes de Campolide entregarem em pontos de recolha próprios vão receber uma dessas notas - de valor equivalente a um euro - para gastar no comércio local. Ressalva, desde já: os valores são simbólicos e "há um limite para cada transação".

André Couto, presidente da Junta de Freguesia de Campolide, diz que a campanha que vai agora ser lançada - e que está a ser preparada há mais de um ano - nasce da "preocupação relativamente à higiene urbana" na freguesia e da necessidade de "fazer alguma pedagogia" nesta matéria. Conjugando isso com a "crise do comércio local por causa das grandes superfícies", nasceu esta "moeda local" e a ideia de, simbolicamente, retribuir o contributo dos habitantes da freguesia para a reciclagem. Um pequeno "benefício" para quem já o faz e, esperam os responsáveis da campanha, um "despertar" para quem ainda passa ao lado da separação do lixo.

Como vai funcionar

Na freguesia vão estar instalados vários pontos de recolha de lixo, sobretudo materiais recicláveis. Leia-se papel, vidro ou pilhas, por exemplo. Em dias estipulados quem entregar o lixo nestes pontos recebe uma nota - um "lixo" - por cada quilo entregue. Se o material for reciclável recebe duas notas por quilo. A nota será válida nos estabelecimentos locais que aderiram à iniciativa - cerca de 70, até agora - e que posteriormente serão reembolsados (em dinheiro real, entenda-se) pela Junta de Freguesia. "Nunca irá envolver, individualmente, valores astronómicos", sublinha o autarca socialista. Em termos mais precisos, haverá um limite ao número de quilos de lixo reciclável "pagos", e ninguém vai juntar "mais de 20 euros" em notas da junta.

A campanha aposta sobretudo no "simbolismo", diz André Couto ao DN, sublinhando que "o objetivo passa por sensibilizar as pessoas". A campanha vai igualmente passar pelas escolas e pela universidade sénior da freguesia.

O projeto está em preparação há cerca de um ano e, se demorou todo este tempo, foi sobretudo para acautelar as questões de segurança. As notas "não são de fácil contrafação", garante o autarca, sublinhando que cada exemplar é numerado e leva o selo branco da Junta de Freguesia - e só existem dois exemplares deste "carimbo". Para além disso, cada estabelecimento comercial que aderiu à iniciativa designou uma pessoa específica para efetuar as trocas com a Junta. Acresce ainda que as notas são feitas num papel "pouco comum" e plastificadas.

O projeto não tem um prazo definido: "Vai depender muito da recetividade que tiver. Vamos lançar agora esta primeira "leva", depois veremos.".

Mudar comportamentos

A reforma administrativa de Lisboa descentralizou para as Juntas de Freguesia, em 2012, muitas das competências que pertenciam à autarquia, em matéria de higiene urbana. André Couto defende que o espaço público da cidade ficou a ganhar, até porque, dada a maior proximidade com as populações, as juntas "sentem-se muito mais pressionadas" a manter o espaço público limpo. Mas há questões inultrapassáveis, defende o autarca, sublinhando que para manter o espaço público limpo é preciso "conseguir mudar o comportamento de uma parte da população, que ainda tem hábitos bastante precários em termos de higiene urbana". Nomeadamente quanto aos dejetos caninos, um dos principais problemas de higiene nas ruas da capital: "É muito complicado. Tem sido uma batalha minha que as Juntas de Freguesia passem a poder punir quem não cumpre a lei. As juntas têm a competência de limpar, mas não de punir".

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.