Câmara de Loures aprova projeto para recuperação do Palácio Valflores

O projeto de restauração do Palácio Valflores terá um custo de mais de um milhão de euros

A Câmara Municipal de Loures aprovou um projeto para a execução de obras de recuperação e restauro do Palácio Valflores, em Santa Iria da Azóia, uma intervenção orçada em mais de um milhão de euros.

O projeto, que foi aprovado esta quarta-feira por maioria em reunião do executivo liderado pelo comunista Bernardino Soares, prevê a execução da consolidação estrutural, restauro e proteção de elementos arquitetónicos do Palácio Valflores.

O Palácio Valflores, construído no século XVI e considerado um exemplo da arquitetura residencial renascentista em Portugal, tinha sido considerado há um ano um dos 14 monumentos mais ameaçados na Europa, segundo uma lista divulgada pela Europa Nostra, principal organização europeia do património.

Em declarações à agência Lusa, o vice-presidente da Câmara Municipal de Loures, Paulo Piteira, explicou que este projeto terá um custo de mais de um milhão de euros e será composto por uma "fase inicial", desenvolvida em três etapas.

"Na fase inicial queremos evitar a todo custo que o palácio caia. Se não queremos perder o que lá está temos de defender a estrutura", sublinhou o autarca.

Paulo Piteira referiu que a primeira etapa da fase inicial de recuperação do palácio vai arrancar no próximo ano e será submetida a uma candidatura a fundos comunitários, no valor de 328 mil euros: "Relativamente às fases dois e três teremos de procurar outras fontes de financiamento, pois trata-se de um esforço municipal muito elevado", ressalvou.

O autarca disse, ainda, que o objetivo da fase inicial é tornar o palácio visitável, não existindo ainda uma previsão temporal.

Em termos globais, a Câmara de Loures estima que a recuperação total do Palácio de Valflores custe cerca de cinco milhões de euros.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.