Cace Pokémons e o homem ou mulher dos seus sonhos. Nova app une jogadores

Aplicação já uniu, até à data, 10 mil casais de jogadores de Pokémon Go

Jogadores de Pokémon Go, preparem-se: agora, além de caçarem monstros digitais, os treinadores poderão encontrar, através do popular jogo de realidade aumentada, as suas caras-metades.

O PokeMatch, uma nova aplicação para Android e iOS, ajuda os jogadores a encontrarem os seus pares perfeitos. A única condição? Que os "candidatos" estejam também envolvidos na missão pelo preenchimento do Pokédex.

A aplicação permite ao utilizador definir a sua idade e preferências, isto é, se está à procura de uma companheira ou companheiro romântico ou se de apenas amigos, funcionando segundo um sistema semelhante ao da conhecida aplicação de encontros Tinder. Deslize para a direita se estiver interessado(a) ou para a esquerda caso não esteja. Aos jogadores que demonstrem interesse mútuo é dada a possibilidade de conversar e, eventualmente, marcar um encontro num lugar seguro. Para o efeito, os jogadores podem escolher uma PokéStop para conhecerem os seus PokéMatches.

Até ao momento, o PokeMatch já reuniu 10 mil casais, reporta o Pocket-lint. "As pessoas estão a usar a aplicação em todo o mundo (...) esperamos ligar cada um dos jogadores do Pokémon Go", conta Pim de Witte, co-criador da aplicação, a esse site. "[Queremos promover] conexões verdadeiras entre as pessoas", acrescenta.

O Pokémon Go é um jogo de realidade aumentada, no qual os utilizadores têm de encontrar as conhecidas criaturas virtualmente espalhadas por um vasto domínio geográfico. A aplicação também está disponível em Portugal para dispositivos iOS e Android.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.