Brasileiro que morreu no voo para Dublin tinha droga no estômago

John Kennedy Santos Gurjão levava 800 gramas de uma substância, que se suspeita ser cocaína

A Gardaí - polícia irlandesa - está a investigar a morte do brasileiro identificado como John Kennedy Santos Gurjão, que morreu no passado domingo a bordo de um voo da Aer Lingus entre Lisboa e Dublin. Segundo o Irish Times, o jovem de 24 anos, que inicialmente foi identificado como português, ingeriu quase um quilo de droga, mais precisamente 800 gramas, que transportava no estômago em 80 cápsulas. A morte foi causada pelo rebentamento de uma das cápsulas.

A informação foi avançada ao jornal irlandês pela patologista assistente na autópsia, Margot Bolster. Segundo a especialista, suspeita-se que fosse cocaína a droga que o jovem transportava. Para determinar o tipo de substância já foram feitos exames toxicológicos, estando as autoridades a aguardar o resultado. A confirmar-se que se trata de cocaína, o brasileiro transportava uma quantidade de droga que poderia render cerca de 56 mil euros.

A Gardaí está agora em contacto com as polícias portuguesa e brasileira, para tentar reconstituir os movimentos de Santos Gurjão antes de embarcar no aeroporto de Lisboa com destino a Dublin. As autoridades acreditam que o brasileiro fosse para a Irlanda aprender inglês.

Santos Gurjão era natural de Boa Vista, uma cidade no norte do Brasil, próxima da fronteira com a Venezuela. A Gardaí também já estabeleu ligação com a embaixada brasileira, que está a tentar comunicar a morte do jovem aos familiares.

O voo onde viajava Santos Gurjão, que partiu de Lisboa no domingo, foi desviado para Cork, no sul da Irlanda, perante a agitação do jovem, que foi mesmo preso por razões de segurança antes de colapsar, tendo mordido na mão um passageiro que tentou auxiliá-lo. Ainda no avião, um médico e duas enfermeiras que seguiam a bordo procuraram assisti-lo após o desmaio, mas o óbito foi declarado pelas 18.40.

Horas mais tarde, era detida uma mulher nascida em Angola mas que, segundo o Irish Times, tem passaporte português. Segundo testemunhas, viajaria ao lado do jovem que morreu - ainda que a polícia irlandesa não tenha confirmado essa informação - e seguia com 1,8 quilos de anfetaminas na mala. Foi detida pelas 23.00 de domingo. A Gardaí está agora a investigar a ligação entre os dois passageiros.

Exclusivos