Avião da Força Aérea detetou início de fogos e pessoas a fazer queimadas

Durante o fim de semana, uma aeronave da Esquadra 502 com equipamento térmico realizou missões em vários locais do país. Alertou bombeiros para situações irregulares

A Força Aérea evitou neste fim de semana que vários focos de incêndio ganhassem uma dimensão tal que poderiam traduzir-se em situações complicadas para os bombeiros, num período em que Portugal continuou sob temperaturas elevadas. Ao mesmo tempo, o patrulhamento efetuado pela aeronave EADS C-295M detetou queimadas e outras atividades consideradas de risco - que estão proibidas.

Durante essas 48 horas, um avião da Esquadra 502, sediada na Base Aérea do Montijo, fez missões de reconhecimento e avaliação por todo o país, tendo em conta o índice de risco de incêndio florestal. Ação de prevenção que teve como objetivo evitar que surgissem focos de incêndio que pudessem resultar em fogos como os de junho (atingiram Pedrógão, Castanheira de Pera, Figueiró dos Vinhos) e deste mês (Oliveira do Hospital, Arganil, Viseu, Leiria), que provocaram 109 mortes e cerca de 300 feridos.

Desse trabalho resultou, de acordo com as informações recolhidas pelo DN junto de fonte do Ministério da Administração Interna, a identificação de "locais com elevado potencial de reacendimento, o que permitiu a realização de ações preventivas, evitando-se situações complexas e a identificação de novos focos de incêndio com imediato acionamento de equipas de combate". O avião EADS C-295M da Esquadra 502 tem equipamentos que permitem a deteção de pontos quentes com recurso a imagem térmica - que tanto pode ser utilizada de dia como de noite - e a sua localização. E foi com recurso a essa tecnologia que os elementos da Força Aérea encontraram vários locais, que não identificam, "com elevado potencial de reacendimento", cujas coordenadas foram transmitidas ao Comando Nacional de Operações de Socorro, que pôde enviar para essas zonas os meios de combate a esses fogos. Isto depois de a situação ser analisada por um elemento da Autoridade Nacional de Proteção Civil que estava no avião.

Segundo as informações adiantadas ao DN, as ações preventivas registaram "queimas e atividades de risco proibidas". Até amanhã (dia 31), devido às condições climáticas de seca extrema que atinge o país, é proibido, por exemplo, fazer fogueiras ou queimadas, lançar foguetes e circular com tratores, máquinas e veículos de transporte pesado sem extintor.

Questionada sobre se estas ações vão continuar, fonte do MAI sublinhou que está a ser feita uma "avaliação de risco [de incêndios] em permanência e que serão tomadas as medidas consideradas necessárias" pelo gabinete do ministro, Eduardo Cabrita.

Esta missão foi realizada em articulação com os ministérios da Defesa, Agricultura e com a Estrutura de Missão para a instalação do Sistema de Gestão Integrada de Fogos Rurais.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.

Premium

Catarina Carvalho

Querem saber como apoiar os media? Perguntem aos leitores

Não há nenhum negócio que possa funcionar sem que quem o consome lhe dê algum valor. Carros que não andam não são vendidos. Sapatos que deixam entrar água podem enganar os primeiros que os compram mas não terão futuro. Então, o que há de diferente com o jornalismo? Vale a pena perguntar, depois de uma semana em que, em Portugal, o Sindicato dos Jornalistas debateu o financiamento dos media, e, em Espanha, a Associação Internacional dos Editores (Wan-Ifra) debateu o negócio das subscrições eletrónicas.