Assalto a Multibanco deixa cenário de guerra no Seixal

Explosão de caixa ATM causou destruição e alvoroço na Rua das Flores, nas Paivas

Jacinto Raposo estava acordado quando pelas 04.00 horas uma enorme explosão vinda da rua o deixou "atarantado". Não era para menos. "Parecia uma bomba, tremeu tudo. Foram explosivos, de certeza, que provocaram aquele estrondo", relata ao DN. Minutos depois lá decidiu sair de casa, mesmo em pijama, mas os seus olhos "esbarravam" com uma nuvem de pó e fumo. "Não se percebia nada. Ouvi vizinhos que gritavam "ladrões, gatunos"", relata. Mas teve que esperar que a poeira assentasse para perceber que a Rua das Flores, onde vive há décadas, estava de pantanas, como se de um campo de batalha se tratasse. Não houve feridos, mas 23 pessoas tiveram que sair das suas casas, sob ameaça de derrocada devido ao impacto da explosão.

Os moradores de Paivas, Amora (Seixal), acordaram esta madrugada quando um grupo de indivíduos fez explodir uma caixa Multibanco, provocando um rasto de destruição, para consumar o assalto, tendo levado o cofre com um montante que ainda não foi revelado. O prédio onde a ATM estava encastrada foi o mais afetado. Uma seguradora com escritório no rés-do-chão ficou totalmente destruída e sem fachada, enquanto algumas paredes do interior do imóvel também ruíram.

"Isto só pode ter sido carga a mais", admitiu uma fonte policial ao DN, para justificar tantas portas rachadas, aros de janelas destruídos, chão do primeiro andar levantado. "Até parece milagre como não há feridos". Vários automóveis estacionados na rua não escaparam aos estilhaços, com vidros partidos e chapas amolgadas. Mas também as janelas do prédio em frente - a mais de dez metros - foram atingidas. Que o digam Jacinto Raposo e Francisco Lopes que ficaram com as persianas crivadas de estilhaços. Pelas 13.00 horas ainda os serviços de limpeza da câmara do Seixal estavam no terreno.

O Comando da PSP de Setúbal confirma o arrombamento por explosão, que obrigou à evacuação do prédio onde estava instalado o multibanco, por haver perigo de derrocada do edifício - a investigação já passou para a PJ. A meio a tarde os 23 moradores ainda não sabiam se poderiam regressar às suas casas sem correr riscos. O regresso estava dependente de os peritos avaliarem o estado da estrutura, como avançou o presidente da câmara do Seixal, Joaquim Santos, que deslocou para a rua das Flores 30 elementos de várias áreas, como limpeza, proteção civil ou ação social.

Caso não esteja assegurada a sustentabilidade da estrutura, o presidente da autarquia revelou que serão garantidas condições para as famílias afetadas. "A autarquia, em conjunto com a Segurança Social, se for necessário para todos ou para alguns, vai ter capacidade de resposta para eventuais realojamentos", disse.

Quem assistiu à fuga dos assaltantes, garante ter visto três encapuzados irem ao Multibanco buscar o cofre com as notas, após a explosão, estando um quarto elemento dentro do carro. "Fizeram tudo com grande calma. Apanharam o cofre, meteram-no na mala do carro, que já estava aberta, entraram na viatura e fugiram", descreveu uma moradora - vizinha do prédio afetado - que já não pregou olho durante a noite.

"Aquilo parecia um trovão, mas foi um terror. Não desejo a ninguém", desabafava ao DN, enquanto Francisco Lopes alertava que a explosão deverá ter sido feita à distância. "Com o impacto que aquilo teve, os ladrões tinham que estar longe para não serem atingidos pelos estilhaços".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG