Ano ventoso ajudou Dinamarca a quebrar recorde mundial da energia eólica

Em 2015, 42 por cento da energia produzida na Dinamarca teve origem nos seus geradores eólicos

No ano que passou, a Dinamarca bateu o recorde mundial para a produção de energia eólica: 42% da energia produzida no país vinha das suas turbinas eólicas, o valor mais alto alguma vez registado no mundo. O valor representa uma subida de 3% relativamente a 2014, graças ao ano particularmente ventoso que se viveu no país.

Os valores oficiais de produção de energia eólica, recém-divulgados pela organização sem fins lucrativos Energinet, mostram que na região ocidental da Dinamarca, 55% da energia consumida era eólica. Na região oriental, o valor ficou-se nos 23%, apesar de tudo um valor alto.

"Espero que a Dinamarca possa servir de exemplo para outros países, mostrando que é possível ter políticas ecologistas com uma grande proporção de energia eólica e outras energias renováveis na rede, mas ao mesmo tempo ter uma grande segurança energética e preços competitivos", disse o ministro da energia dinamarquês, Lars Christian Lilleholt, citado pelo jornal britânico The Guardian.

O valor recorde foi atingido mesmo com duas das maiores fábricas de produção eólica fora de serviço durante o ano - se estivessem a funcionar, o valor teria chegado a 43,5%, de acordo com os dados da Energinet.

Por cinco anos consecutivos, a Dinamarca liderou a lista dos países com melhor desempenho no combate às alterações climáticas. Em 2015, Portugal caiu dez lugares, para o 19.º, nessa lista realizada pela organização não-governamental GermanWatch e pela Rede Europeia de Ação Climática.

Um dia particularmente ventoso de 2015, 2 de setembro, a Dinamarca não ligou sequer as suas centrais energéticas centralizadas, sendo a sua rede de renováveis e de energia importada (importa energia solar da Alemanha e energia hidroelétrica da Noruega) suficientes para providenciar energia a todo o país. E num dia de julho, a Dinamarca produziu tanta energia elétrica que era capaz de suprir todas as suas necessidades e ainda exportar 40%.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG