"Uma vida de mil anos, com fortuna de mil milhões, numa casa de mil metros quadrados"

O famoso questionário Proust respondido pelo humorista Herman José.

DN
Herman José, que tem por "pássaro" preferido o bimotor a jato Gulfstream G700 e confessa uma predileção por Batman, revela que o seu maior desgosto é a inevitável... morte.© Sara Matos / Global Imagens

A sua virtude preferida?
Generosidade.

A qualidade que mais aprecia num homem?
Nunca deixar de cultivar o seu lado feminino.

A qualidade que mais aprecia numa mulher?
Nunca perder a sua qualidade maternal.

O que aprecia mais nos seus amigos?
Solidariedade.

O seu principal defeito?
Excesso de lucidez.

O "homem-morcego" é o herói da ficção favorito de Herman José. Na categoria de heroínas "históricas", o célebre humorista referiu Graça Freitas e Marta Temido...

A sua ocupação preferida?
Fazer "nada" com qualidade e imaginação.

Qual é a sua ideia de "felicidade perfeita"?
Uma vida de mil anos, com uma fortuna de mil milhões, numa casa de mil metros quadrados, num terreno de mil hectares.

Um desgosto?
Morrer.

O que é que gostaria de ser?
​​​​​​​Herdeiro do Sultão do Brunei.

Em que país gostaria de viver?
Nova Zelândia, por ser dos poucos países com hipótese de sobreviver a uma guerra nuclear.

A cor preferida?
Azul.

A flor de que gosta?
​​​​​​​Rosa vermelha.

O pássaro que prefere?
Gulfstream G 700.

O autor preferido em prosa?
Woody Allen.

Poetas preferidos?
William Shakespeare e Fernando Pessoa.

O seu herói da ficção?
Batman.

Heroínas favoritas na ficção?
A primeira-ministra sueca, Magdalena Andersson, e a primeira-ministra finlandesa, Sanna Marin.

Os heróis da vida real?
Salgueiro Maia, Mário Soares, Ramalho Eanes e Volodymyr Olexandrovytch Zelensky.

O feito militar mais digno da admiração de Herman José é o 25 de Abril, também apelidado de Revolução dos Cravos.

As heroínas históricas?
​​​​​​​Graça Freitas e Marta Temido.

Os pintores preferidos?
Todos que ultrapassem os 50 milhões de euros nos leilões da Sotheby"s.

Compositores preferidos?
Carlos Paião e Sergei Rachmaninoff.

Os seus nomes preferidos?
​​​​​​​Hermann, Ricky, Woody, John, Vasco, Don.

O que detesta acima de tudo?
Dívidas.

A personagem histórica que mais despreza?
Vladimir Vladimirovitch Putin.

O feito militar que mais admira?
A Revolução dos Cravos.

O dom da natureza que gostaria de ter?
Imortalidade.

Como gostaria de morrer?
Durante o sono na suite Imperiale do Hotel Ritz Paris, na noite imediatamente a seguir à minha festa do 105º aniversário num jantar para 105 amigos no Restaurante L"Espadon.

Estado de espírito atual?
​​​​​​​Muito animado com a minha vida pessoal e artística, muito triste pelo sofrimento dos meus irmãos ucranianos.

Os erros que lhe inspiram maior indulgência?
Todos os cometidos em nome da paixão.

A sua divisa?
Carpe Diem. Desde que me lembro.