Portugal faz descoberta que pode ajudar a compreender o Monkeypox

Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge diz que investigadores portugueses foram os primeiros no mundo a identificar a sequência genética do vírus Monkeypox, conhecido como varíola-dos-macacos. "Poderá ser fundamental para compreender a origem do surto e as causas para a rápida disseminação da doença."

DN

Uma equipa de investigadores do Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (INSA) foi a primeira a identificar a sequência genética do vírus Monkeypox, indica o INSA em comunicado enviado às redações.

"A descoberta poderá ser fundamental para compreender a origem do surto e as causas para a rápida disseminação da doença" atualmente em circulação em vários países como Portugal, Reino Unido, Espanha, Suécia, Bélgica e Estados Unidos da América, indica o instituto.

Alguns dias após a confirmação dos primeiros casos de infeção humana da denominada varíola-dos-macacos em Portugal, especialistas do Núcleo de Genómica e Bioinformática do INSA identificaram a sequência genética deste vírus e partilharam-na com a comunidade científica internacional, "o que poderá contribuir para uma mais rápida e efetiva compreensão deste fenómeno".

Segundo o responsável do Núcleo de Genómica e Bioinformática do Departamento de Doenças Infeciosas do INSA, João Paulo Gomes, "a rápida identificação da sequência genética do vírus em circulação, e a sua imediata divulgação à comunidade científica, constitui um primeiro passo de colaboração internacional para a caracterização deste surto".

"A comparação das sequências genéticas do vírus Monkeypox obtidas nos vários países poderá ser fundamental para a compreensão da origem do surto, bem como da forma como se deu rapidamente a disseminação da doença", sublinha o investigador do INSA, citado pela nota enviada às redações, acrescentando que "uma boa caracterização deste tipo de surtos permite "retirar ensinamentos que podem ser-nos úteis para a adoção de medidas de saúde pública com vista a uma melhor monitorização e controlo do problema".

Portugal já tinha sido um dos primeiros países a confirmar laboratorialmente casos suspeitos desta doença, tendo já reportado, até hoje, 37 casos confirmados laboratorialmente.

A varíola-dos-macacos é uma doença zoonótica, em que roedores e primatas não humanos podem ser portadores do vírus e infetar pessoas, e foi identificada primeira vez em 1958, aquando da ocorrência de dois surtos, em macacos mantidos em cativeiro para fins de investigação.

12 anos depois foi identificada em humanos na República Democrática do Congo.

A Monkeypox doença endémica em alguns países da África Central e Ocidental e, até recentemente, era raramente detetada fora de África, sendo transmitida de uma pessoa para outra por contacto próximo com lesões, fluidos corporais, gotículas respiratórias e materiais contaminados.

A Direção-Geral da Saúde (DGS) recomenda que procure aconselhamento clínico quem apresentar lesões ulcerativas, erupção cutânea, gânglios palpáveis, eventualmente acompanhados de febre, arrepios, dores de cabeça, dores musculares e cansaço, e que evite contactos físicos diretos quem apresentar sintomas suspeitos.