Amadeu e Laureana ganham visita para 60 colegas

Casal de lusodescendentes compra bilhete 20 000 000. Entre o prémio está a deslocação a Lisboa das turmas dos dois filhos

Amadeu e Laureana, de 10 e 7 anos, têm muitas hipóteses de se tornarem os alunos mais populares da sua escola, no Sul de Paris. É que a visita de ontem ao Oceanário de Lisboa valeu-lhes o prémio de visitante número 20 000 000. Mas não só a eles: como uma das ofertas é a participação no Programa Educação, os colegas dos dois jovens ficaram automaticamente convidados a visitar aquele que foi já considerado o melhor aquário do mundo. Ou seja, 60 crianças, e os respetivos acompanhantes, vão poder vir a Lisboa com todas as despesas pagas só porque os pais de Amadeu e Laureana, o casal Sylvie e Didier, compraram ontem bilhetes pelas 10.30 - a hora certa.

Com 18 anos - abriu portas em 1998 para a Exposição Mundial organizada na capital -, o Oceanário já recebeu em visitantes o dobro da população nacional e assinalou esse facto com uma receção mediática à família de lusodescendentes, todos nascidos em França.

"Estava aqui uma vedeta?"

O aparato que envolveu a família na zona das bilheteiras foi de tal ordem que as crianças não conseguiram falar sequer com a mãe quando esta lhes perguntou se estavam contentes. Aliás, Sylvie teve dificuldade em responder às primeiras questões e o marido acabou por dizer pouco mais do que "somos portugueses", mas "nascemos os quatro em França".

Depois de recompostos da surpresa e de ficarem a saber que durante um ano vão poder visitar o Oceanário sempre que quiserem e que têm direito durante esse período a 10% de desconto na loja, Sylvie foi a porta-voz da família, enquanto os filhos brincavam com a coqueluche daquele que no ano passado foi considerado o melhor aquário do mundo, segundo o Traveler"s Choice do portal TripAdvisor: o Vasco. "Pensávamos que estava aqui alguma vedeta", começou por dizer Sylvie, que, como o marido, é filha de portugueses que emigraram para França. Vivem no Sul de Paris e todos os anos vêm a Portugal. A visita de ontem ao Oceanário não foi a primeira, mas foi uma passagem muito rápida: "Têm uma surpresa para nós? Tem de ser rápido pois só temos uma hora para a visita."

Uns minutos depois, num ambiente mais calmo, deixou escapar a frase: "Uma grande surpresa." Isto já numa altura em que Amadeu e Laureana, principalmente o irmão (segundo os pais percebem o português, mas ontem não mostraram se o falam), iam sendo alvo de algumas brincadeiras de Vasco - a mascote.

"É uma experiência única e não estávamos à espera de uma oportunidade destas. Ter acesso livre ao Oceanário, sempre que viermos a Portugal no próximo ano, e os nossos filhos terem oportunidade de partilharem essa experiência com os outros meninos das suas turmas é excecional", concluiu Sylvie.

Os 60 colegas dos dois jovens lusodescendentes vão poder vir a Lisboa apreciar os quatro aquários diferentes que no Parque das Nações representam os habitats do Atlântico Norte, do Antártico, do Pacífico temperado e do Índico tropical, onde estão, numa área de 20 mil metros quadrados e 7 500 000 litros de água salgada, 500 espécies.

O Oceanário de Lisboa está aberto todos os dias - os bilhetes custam entre 11 e 16 euros - e tem como objetivos principais a promoção do conhecimento dos oceanos, principalmente por intermédio do Programa Educação, e a tentativa de envolver professores e alunos na conservação dos oceanos.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...