Agricultores culpam grupos organizados pelo roubo de 500 toneladas de citrinos

Produtores contam que numa só noite, em maio, foram roubadas dez toneladas de fruta

O diretor regional da agricultura do Algarve disse esta quarta-feira que o roubo de citrinos na região cresceu bastante este ano, o que provocou grandes prejuízos aos produtores. Os agricultores culpam grupos organizados por esses furtos.

"Há três grandes grupos identificados. Será do exterior, não sei se de Espanha ou se de outro lado. Internamente existem grupos organizados que têm sido identificados e é aquele pequeno furto normal que sempre existiu", explica Fernando Severino.

O diretor geral da Cooperativa Agrícola de Citricultores do Algarve (CACIAL), Horácio Ferreira, contou que, em meados de maio, numa só noite foram roubadas dez toneladas de fruta. "Sem terem trabalho nenhum, porque era fruta que nós tínhamos apanhado e estava à espera do contentor para carregar", explicou, acrescentando: "São situações organizadas, pensadas".

A situação ocorre em todo o distrito de Faro e tem obrigado os produtores e organizações de produtores a contratarem serviços de segurança.

"Já estamos a pagar vigilância privada, mas (...) dentro de um pomar de citrinos é quase impossível apanhá-los [assaltantes]. Esta situação tem de ser controlada na fronteira, nas vendas ambulantes e junto às estradas", disse Pedro Madeira, da organização de produtores do sotavento algarvio Frusoal.

Apesar de não conseguir quantificar rigorosamente os prejuízos, Pedro Madeira conta que a Frusoal tem uma capacidade anual média de produção de 30 mil toneladas de laranjas e limões e que calcula que tenham sido furtadas mais de 500 toneladas este ano.

"Além do roubo que já tínhamos a nível interno, [a situação] agravou-se com o aparecimento de grupos organizados espanhóis que têm estado a passar a fronteira", sublinhou.

Pedro Madeira diz que não se trata apenas de suspeitas, porque as autoridades já fizeram algumas detenções.

"Só que a seguir, a justiça não faz nada. Vai [o assaltante] a tribunal e mandam para casa, inclusive com os carros onde é apanhada a fruta", por se tratar de furtos de centenas de euros, mas aquele representante da Frusoal vinca tratar-se de "milhares de roubos".

O diretor regional de agricultura e pescas do Algarve explicou à Lusa que perante a situação foi criado um grupo que conta com a colaboração da ASAE, da GNR e dos produtores e foi produzido um plano de ação.

"Estão a ser tomadas medidas que pensamos que provocam algum constrangimento" a quem pretende furtar, disse Fernando Severino adiantando que têm sido feitos controlos de estrada, de fronteira e a ASAE e a GNR estão a trabalhar de forma articulada.

A Direção Regional de Agricultura e Pescas pretende conseguir a colaboração das 16 autarquias algarvias para controlar de forma mais eficaz as vendas ambulantes e nas bermas de estradas.

Os furtos nos pomares de citrinos algarvios foi, esta semana, objeto de uma tomada de posição da associação empresarial e sociocultural AlgFuturo que propõe a criação de uma unidade de intervenção integrada para desmantelar os grupos organizados e proibir a venda ambulante de citrinos.

"É opinião da Algfuturo que se justifica a criação de uma Unidade Regional Integrada de Intervenção, com reforço e coordenação de meios de deteção, dissuasão, captura dos ladrões, investigação e controlo de circulação no Algarve e em cooperação com as autoridades espanholas, mas caberá a quem de direito decidir o modelo operacional que achar melhor", lê-se no comunicado emitido pela AlgFuturo.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.