Agente de execução detida. É suspeita de desviar 2,5 milhões de euros

PJ deteve suspeita com escritórios na zona da Grande Lisboa e realizou buscas domiciliárias. Terá desviado verbas dos processos de execução num montante milionário já apurado

A Polícia Judiciária, no âmbito de um inquérito dirigido pelo Ministério Público - DIAP de Lisboa -, deteve uma agente de execução, de 53 anos, com escritórios na zona da Grande Lisboa, pela presumível prática dos crimes de peculato, falsidade informática e branqueamento.

Segundo o comunicado da PJ, no decurso da operação foram realizadas buscas domiciliárias e buscas aos escritórios da suspeita, tendo sido apreendido diverso material relacionado com a prática da atividade criminosa em investigação.

A investigação vai continuar a recolher prova e a apurar o prejuízo causado ao Estado Português e aos lesados através do desvio para proveito próprio de verbas referentes aos processos de execução, estando já indiciado um valor global de fraude superior a dois milhões e meio de euros.

A operação contou com a colaboração da Comissão Para o Acompanhamento dos Auxiliares da Justiça - CAAJ.

Exclusivos

Premium

Legionela

Maioria das vítimas quer "alguma justiça" e indemnização do Estado

Cinco anos depois do surto de legionela que matou 12 pessoas e infetou mais de 400, em Vila Franca de Xira, a maioria das vítimas reclama por indemnização. "Queremos que se faça alguma justiça, porque nunca será completa", defende a associação das vítimas, no dia em que começa a fase de instrução do processo, no tribunal de Loures, que contempla apenas 73 casos.