Afinal, vai haver ou não um Harry Potter Go?

Após relatos contraditórios, foi criada uma petição que pede que o jogo de realidade aumentada seja inventado

Começou como um rumor, mas ganhou força na imprensa e nas redes sociais. A notícia de que a Niantic, a empresa de desenvolvimento de softwares que criou o Pokémon Go com a Nintendo, iria criar também um jogo de realidade aumentada da saga Harry Potter, deixou milhares de fãs em histeria. Mas, até ao momento, não houve nenhuma confirmação oficial por parte da marca.

Os boatos eram baseados numa entrevista de Marcus Figueroa, representante da Niantic, ao portal de jogos IGN. A partir daí, vários sites e blogues reproduziram a novidade até que a notícia foi praticamente tida como oficial. Para aumentar o entusiasmo, o anúncio coincidia com a altura do lançamento do oitavo e último livro da saga do feiticeiro de Hogwarts, Harry Potter and the Cursed Child - Parts I & II.

O problema é que a entrevista pode nunca ter acontecido. O portal online onde foi publicada não funciona e alguns sites, como o Gizmodo, questionam até a existência do próprio Marcus Figueroa - quem costuma dar entrevistas é o fundador da empresa John Hanke e todas as notícias sobre Figueroa estão ligadas à falsa entrevista.

Cansada de esperar, Ashtyn Hannon, uma fã incondicional, criou uma petição online em que pede que a Niantic faça o jogo que vai permitir a milhares de fãs entrarem no universo de Hogwarts. O objetivo era mostrar que, se a Niantic realmente produzisse o jogo, iria ganhar muito dinheiro dos muggles. Afinal, como diz o texto da petição, "se houver demasiada procura haverá oferta".

A petição online já tem 41 mil das 45 mil assinaturas que Ashtyn queria recolher.

No texto, a jovem dá ideias de como os jogadores poderiam bloquear as aplicações dos outros por alguns segundos usando o feitiço Expelliarmus. Ou como poderiam caçar goblins, hipogrifos, dragões, aranhas e outras das muitas criaturas mágicas dos livros. Ou até encontrar os sete horcruxes de Voldemort e os objetos para os destruir, como a espada de Griffindor ou as presas do basilisco.

Nas redes sociais muitos se mostraram entusiasmados com o possível novo jogo e partilharam imagens com a hastag #WeNeedHarryPotterGO.

Por enquanto, e até confirmação do contrário, o jogo fica na imaginação de quem quer muito jogá-lo.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.