Acidente com catamarã no Terreiro do Paço faz 34 feridos

Nevoeiro e velocidade excessiva podem ter estado na origem do acidente, apontou o capitão do Porto de Lisboa

O catamarã Antero de Quental embateu hoje, às 8.39, no cais do Terreiro do Paço, em Lisboa, quando fazia manobras para atracar, confirmou ao DN fonte da Polícia Marítima.

O barco fazia a ligação entre o Barreiro e o Terreiro do Paço. O comandante do Porto de Lisboa informou que se registaram 34 feridos, tendo 23 deles sido transportados para o hospital: 12 para São José, oito para Santa Maria, dois para São Francisco Xavier e uma mulher grávida de 19 semanas para a Maternidade Alfredo da Costa. De acordo com a mesma fonte tratam-se de ferimentos ligeiros.

"Só um tinha evidências de fratura num membro inferior", disse José Isabel. "Todos os outros foram imobilizados por uma questão de precaução e serão avaliados no hospital", afirmou.

Responsável clínico do Hospital de São José confirmou estas informações à SIC e adiantou que a mulher grávida que foi transportada para a Maternidade já realizou exames e iria ter alta.

Segundo a SIC, três outros passageiros deslocaram-se ao Hospital de São José por iniciativa própria

"O acidente aconteceu quando a embarcação estava a atracar. Trata-se de uma embarcação da Soflusa que vinha do Barreiro com destino ao cais Sul/Sueste e que ao atracar embateu. As pessoas, com a ânsia de sair, já estavam de pé junto às portas de saída, coisa que não deve acontecer. As pessoas devem permanecer sempre sentadas", adiantou o capitão do Porto de Lisboa.

A mesma fonte defendeu que o nevoeiro terá sido "fator determinante para acidente ter acontecido", considerando que a avaliação da distância feita pelo comandante terá sido errada, tendo em conta a velocidade com que se aproximou do cais.

"A velocidade certamente que não era [a mais adequada], isso não resta dúvidas. Agora, foi prejudicada pela falta de visibilidade", disse José Isabel à agência Lusa, falando numa "má avaliação" da parte do piloto.

"Ao vir com essa velocidade - o comandante pensava que estava mais longe - acabou por embater no cais", concretizou, adiantando que o piloto já tinha sido ouvido pelas autoridades e que seria feito um processo de averiguações ao acidente.

José Isabel disse ainda que a embarcação não terá sofrido danos.

A embarcação em causa é da empresa Transtejo e operada pela Soflusa. Tem capacidade para 600 passageiros e a bordo seguiam 561 passageiros e quatro tripulantes, de acordo com informações do administrador José Bagarrão.

Em declarações aos jornalistas no local, o administrador adiantou que vai ser criada uma comissão de inquérito para investigar as causas do acidente. Admitiu, contudo, que o nevoeiro "é uma das hipóteses entre muitas" que podem ter estado na origem do choque violento da embarcação com o pontão e que levou alguns passageiros a serem projetados.

O mesmo responsável garantiu que o catamarã em causa estava em perfeitas condições, com certificado de navegabilidade válido e inspeções em dia.

Adiantou ainda que as ligações fluviais mantêm-se, ainda que possam existir alguns atrasos.

No local estiveram o capitão do Porto de Lisboa, a Polícia Marítima, elementos da Proteção Civil municipal, o INEM, 26 elementos dos Sapadores de Bombeiros de Lisboa, apoiados por oito viaturas, e os Bombeiros Voluntários de Lisboa.

Na própria estação fluvial do terreiro do Paço foi auxílio a algumas vítimas.

(Atualizada às 12:43 com informação sobre os feridos)

Exclusivos

Premium

Espanha

Bolas de aço, berlindes, fisgas e ácido. Jovens lançaram o caos na Catalunha

Eram jovens, alguns quase adultos, outros mais adolescentes, deixaram a Catalunha em estado de sítio. Segundo a polícia, atuaram organizadamente e estavam bem treinados. José Manuel Anes, especialista português em segurança e criminalidade, acredita que pertenciam aos grupos anarquistas que têm como causa "a destruição e o caos" e não a luta independentista.