214 mil condutores usam o telemóvel nas ruas de Lisboa

Em cada milhão de condutores estão, em permanência, 77000 a usar o telemóvel enquanto conduzem e 137000 nos semáforos

Os condutores em Lisboa são abusivos no uso do telemóvel enquanto estão ao volante. E, de uma forma geral, os automobistas portugueses estão à frente da média europeia nos comportamentos de risco a usar estes aparelhos: seja a falar, enviar mensagens de texto ou emails ou a ler essas mesmas mensagens. Segundo um estudo da Prevenção Rodoviária Portuguesa (PRP) que é hoje divulgado, e a que o DN teve acesso, na cidade de Lisboa, em cada milhão de condutores estão, em permanência, 212 mil a utilizar o telemóvel. Desses, 77.000 estão a usar o aparelho enquanto conduzem - a falar com o aparelho na mão, em alta voz ou com auriculares, a ler ou a enviar mensagens ou a consultar e a enviar emails ou a aceder às redes sociais. Há ainda 137.000 automobilistas que usam o telemóvel, nessas mesmas atividades, enquanto estão parados nos semáforos. Essa extrapolação da PRP para estes valores absolutos foi baseada nos resultados colhidos a partir de 5600 observações de automobilistas em Lisboa, realizadas entre março e abril deste ano. As observações incidiram sobre 3378 condutores em carros em movimento e 2260 condutores em carros parados nos semáforos. Os resultados mostraram que 7,7% dos condutores de automóveis observados em movimento estavam a utilizar o telemóvel. Desses, 3,3% estavam a falar em alta-voz/a usar auriculares, 2,7% a consultar o telemóvel (a ler/escrever mensagens/emails, consultar a internet/redes sociais) e 1,8% a falar ao telemóvel na mão.

Nos condutores parados na sinalização de semáforos destacaram-se os que estavam a consultar o telemóvel, cuja percentagem foi de 7,3% - quase três vezes superior à observada nos veículos em movimento. Este comportamento constitui uma infração grave e prejudica o fluxo do trânsito, sublinha a PRP no estudo. Foram ainda observados 5,2% de condutores a falar em alta-voz/a usar auriculares e 1,9% a falar ao telemóvel na mão. Considerando as três atividades, a Prevenção Rodoviária Portuguesa concluiu que 13,7% dos condutores decarros parados nos semáforos estavam distraídos com o telemóvel.

A Prevenção Rodoviária ressalva que "estes dados não significam que 7,7% dos condutores utilizam o telemóvel enquanto conduzem, ou que 13,7% o utilizam quando param num semáforo, mas sim que essas são as percentagens de condutores que, em cada momento, o estão a utilizar".

Em Portugal não existem dados que indiquem um a relação direta entre acidentes rodoviários e distração, refere a PRP e confirmou também a Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária ao DN. Mas os resultados do European Survey of Road User"s Safety Attitudes (ESRA), de 2015, de que a PRP é parceira, mostram uma maior utilização do telemóvel nos condutores portugueses, comparativamente à média europeia (percentagens de pelo meno suma vez nos últimos 12 meses). A saber, 45.9% falaram com o telemóvel na mão (37.7% na UE); 60% falaram com sistemas mãos livres (51.1% na UE); 44.5% leram mensagens de texto ou emails (36.4% na UE); 27.6% escreveram mensagens de texto ou emails (27.3% na UE). Curiosamente, sublinha a Prevenção Rodoviária, "apesar de serem dos europeus que reportam uma maior utilização do telemóvel durante a condução, os portugueses são dos que consideram este comportamento menos aceitável e que mais contribui para o aumentodo risco de acidente".

Risco de acidente: 4 vezes maior

A PRP refere que os condutores que falam ao telemóvel enquanto conduzem têm um risco quatro vezes superior de se envolverem num acidente, em comparação com os que não o fazem, segundo um estudo de 2015 da Organização Mundial de Saúde, citado no documento. Já o manuseamento do telemóvel para escrever/ler mensagens ou emails, consultar informação na internet, aumenta ainda mais o risco de acidente. Segundo um estudo do Virginia Tech Transportation Institute, também referido pela PRP, é um risco 23 vezes maior.

A Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária fez uma campanha a alertar para este comportamento de risco, de condutores e de peões (esta, em conjunto com a PSP), nas rádios e televisões, o ano passado e este ano. "No Plano Estratégico Nacional de Segurança Rodoviária para 2020 está previsto o estudo da implementação, em investigação criminal, de um mapeamento ao telemóvel para ver se, na altura do acidente, o condutor o estava a usar ou não. Nos Estados Unidos já foi implementado. Mas não é fácil, colide com a questão da proteção de dados", adiantou Pedro Silva, porta-voz da ANSR.

O presidente da ANSR, Jorge Jacob, referiu, aquando da campanha do ano passado, que o uso do telemóvel e de outros dispositivos, como os tablets, durante a condução, são os responsáveis pelo aumento de acidentes com vítimas que se regista desde 2012. Os tempos de reação do condutor a usar o telemóvel são 30% mais lentos do que os que tem na condução sob o efeito de álcool com uma taxa de 0,8 gramas por litro no sangue.

Mulheres usam mais o telemóvel enquanto estão ao volante

Os resultados do estudo mostram uma tendência de mais utilização do telemóvel por parte das mulheres do que dos homens, tanto com o veículo em movimento (8.4% do sexo feminino contra 7.3% do sexo masculino) como parado (15.6% contra 12.8%). "As diferenças são sobretudo explicadas pelas maiores percentagens de mulheres que falam ao telemóvel, tanto com ele na mão como em alta-voz/auriculares", refere a PRP. Sem grande surpresa, os condutores com menos de 30 anos falam mais com o telemóvel na mão (3.7% contra 1.9% do escalão dos 30 aos 60 anos). Já os do escalão intermédio (30-60 anos) falam mais com sistemas alta-voz ou auriculares (5.8% contra 4.2% do grupo dos menores de 30). Quando parados nos semáforos, os condutores até 30 anos consultam o telemóvel com muito mais frequência do que os condutores com idades de 30 a 60 anos (15.3% contra7.4%), segundo o estudo. Os condutores mais velhos, com mais de 60 anos, são os que menos usam o telemóvel. Os resultados mostram ainda que o uso do telemóvel é muito maior nos condutores que viajam sozinhos do que nos que viajam com passageiros, seja em movimento (17.3% contra 4.4%) ou parados nos semáforos (10.3% contra 2.0%).

Para Carlos Barbosa, presidente do Automóvel Club de Portugal,o problema está na "falta de grandes campanhas públicas da ANSR, que não são feitas há sete anos de uma forma regular. Todo o dinheiro que pertence aos automobilistas,que pagam 4% da apólice de seguro para o Fundo de Garantia Automóvel, é retirado para comprar carros para a PSP e GNR".

Manuel João Ramos, presidente da Associação de Cidadãos Auto-Mobilizados (ACA-M), também critica as campanhas recentes da ANSR a alertar para estes riscos por "não terem grande impacto, serem de baixa densidade, pouco focadas e pouco financiadas". Por outro lado, aponta, as penas também são baixas. "No Reino Unido, um condutor que estava a fazer texting quando atropelou uma criança, em 2005, foi condenado a 15 anos de prisão efetiva".

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG