Temperos de uma equipa pequena mas apurada

Criado em 2010, saltou há um mês para a RTP1. Sá Pessoa explica mudanças num Ingrediente Secreto mais interativo do que nunca, e adianta que ali não existe desperdício de comida. A equipa faz por isso...

"Estás a ouvir bem?", pergunta um técnico. "Estou", responde Henrique Sá Pessoa. "Quando quiseres, começa!", atira o colega. "Esta receita foi inspirada numa viagem a Londres, eles têm uma grande cultura de salmão e.... podemos fazer outra vez?", questiona o chef. Estão a começar as filmagens de mais um Ingrediente Secreto - desta vez com o salmão como protagonista -, o formato duradouro que transitou para a RTP1 há um mês, com o arranque da sexta temporada, exibida agora aos sábados antes do almoço. "Existem muitas diferenças nesta série. Estarmos na RTP1 é, logo à partida, um palco diferente. O formato dobrou também para os 40 minutos e temos um convidado a fazer uma das receita consoante um determinado orçamento, que pode ser de 10, 15, 20 ou 30 euros, embora normalmente vamos mais para os 10 do que para os 30, porque também queremos comunicar uma economia de contenção e não de esbanjar", começa por explicar Sá Pessoa.

O formato é gravado na zona de Fontanelas, Sintra, num apartamento atulhado com mochilas, cabos, material de luz, som, roupas e acessórios, que contrastam com uma cozinha impecavelmente limpa e decorada, onde tudo é filmado. Cada vez mais habituado aos programas de culinária, Sá Pessoa domina o largo balcão enquanto fala para a câmara e corta cenouras e cebolas com uma facilidade e rapidez impressionantes. Atrás de si tem uma janela com um enorme jardim como pano de fundo e através da qual se ouvem os pássaros a chilrear. "Vou pôr salsa e tomilho para lhe dar perfume, já sabem que sou um fã de ervas aromáticas", vai dizendo o chef, diante de três projetores de luz.

Produzido pela Vende-se Filmes, a equipa responsável pelo formato de culinária é reduzida mas unida. "Acho que é isso que diferencia este programa dos outros do género. Em termos visuais e de equipa, já temos um know-how de oito anos, com o Entre Pratos e o Ingrediente Secreto. A espinha dorsal da equipa é a mesma desde então e isso em termos de dinâmica de trabalho é ótimo, comunicamos muito bem", explica Sá Pessoa em conversa à NTV, durante um intervalo de gravações entre dois pratos, enquanto os colegas, ali ao lado, dão garfadas no bolinho de salmão que o chef acabou de fazer para o programa. Em poucos segundos, o prato ficou vazio. "Toda a gente que trabalha neste formato gosta do programa, isso é fundamental. Eles adoram, também comem bem. E comem mesmo. (risos) Aquilo nada se desperdiça!", conta, divertido. "Mmm... está ótimo", "Mesmo bom", ou "É melhor virem rápido senão acaba!", ouve-se.

Poucos minutos depois já se grava uma nova receita. "Tenho montes de coisas à frente, não consigo filmar", diz o cameraman responsável pelos planos mais elevados, filmando os pratos de cima, tendo que se colocar em cima de duas caixas e ser segurado pela cintura por uma colega, para não cair e filmar de forma estável.

"Antes de ensinar a cortar a posta do salmão...", diz o chef ao ser interrompido pela maquilhadora. "Espera, espera, deixa retocar a base", diz a profissional. Enquanto isso, a rede para mosquitos da janela atrás de Sá Pessoa desprende-se numa das pontas. "Corta!", diz um técnico, enquanto sai para colocá-la bem. Breves segundos que servem para o chef verificar o telemóvel, guardado no bolso. Aliás, nunca este formato foi tão interativo. "Incluímos nesta temporada duas rubricas em que respondo no programa a perguntas do público no Facebook. As redes sociais são uma forma de agarrar o público, de mantê-lo interessado, mas também de sabermos em que direção é que devemos ir. Se tenho muita gente a pedir-me receitas com bacalhau, faço. Ou refeições baratas. E há muita gente que pede isso", conta o apresentador do programa que já soma 150 mil fãs no Facebook. "Dá para perceber que são uma comunidade ativa", acrescenta.

Enquanto o chef vai cortar um molho de cebolinho à planta que está atrás de si, o técnico do som diz: "Desculpa Henrique, tenho um avião a passar em cima da casa." Os segundos de pausa são os necessários para o chef limpar a bancada, num programa de culinária é essencial que assim seja.

À frente deste programa desde 2010, o apresentador não podia fazer um melhor balanço. "A RTP tem-me acompanhado e apoiado desde sempre. Acho que apesar dos oito anos que levou para chegar à RTP1, chegámos na altura certa. Durante muito tempo, o Ingrediente Secreto tinha de estar na RTP2. Precisou de fermentar, amadurecer. Eu também já estou mais à vontade perante as câmaras", remata Henrique Sá Pessoa, dentro de uma cozinha rodeada por amoras gastronómicos que, infelizmente, as palavras ainda não conseguem descrever.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG