Herói Mourinho demorou um ano e meio a tomar forma

"Happy one" disputa, esta noite, mais um título do futebol europeu, com o Chelsea-Bayern na Supertaça, e amanhã de manhã estreia-se na sua versão animada, na SIC.

Meses! Segundo o autor, diretor e realizador, Pedro Maria, "foram feitos diversos estudos e tentativas que levaram alguns meses até ser atingido o objetivo pretendido". Ou seja, encontrar uma imagem o mais semelhante possível à do agora treinador do Chelsea. Ao longo de um ano e meio,"fizemos uma pesquisa árdua de vídeos e fotografias de José Mourinho para captar a estrutura do rosto e acima de tudo expressões que o caracterizam", justifica o argumentista da série infantojuvenil que se estreia este sábado às 08.00, na SIC, inserido no espaço dos mais pequenos, LOL@SIC, e com repetição aos domingos.

Imagens que a Notícias TV mostra por antecipação, no mesmo dia em que o técnico de Setúbal volta a protagonizar um duelo com Pep Guardiola, mas agora com ambos fora de Espanha, em clubes diferentes e a disputar a Supertaça Europeia (Chelsea-Bayern Munique, em Praga), que será exibida na TVI.

Sem garantias de que o treinador consiga ver o primeiro de 26 episódios da série na qual será retratado como manager, o ator que lhe dá voz, Luís Franco Bastos, já reservou o seu lugar no sofá. "Estou bastante curioso para ver os resultados, porque nós gravamos sempre as vozes em separado. Vai ser engraçado ver agora o trabalho completo", afirma o ator.

Luís Franco Bastos, que já faz habitualmente a voz de José Mourinho, explica que a grande diferença "foi fazer o treinador em registo de dobragem". Apesar de não ter necessitado de fazer uma preparação muito exaustiva, o ator conta que teve especial preocupação na hora de dobrar a voz do Special e Happy One: "Como o Mourinho está a falar com crianças, optei por um registo mais afável. Creio que o será quando comparado com o registo dele em conferências de imprensa com jornalistas."

Para já, também Mourinho poderá ser surpreendido com os resultados porque, justifica Pedro Maria, "o projeto foi-lhe apresentado quando apenas era um conjunto de esboços e ideias, desde o início tivemos a sua aprovação e incentivo".

Agora, em vésperas de se estrear a versão animada de Mourinho, o porta-voz do técnico do Chelsea, Eládio Paramés, confirma o acompanhamento inicial. Quanto ao aval antes da estreia, a Notícias TV tentou obter uma reação por parte da assessoria da Gestifute, mas até ao fecho de edição não foi possível.

A nova série que se vai estrear em Carnaxide e na qual o ex-treinador do Real Madrid auxilia um outro mister na equipa dos Special Ones, uma formação composta pelos rapazes da rua, vai contar com genérico de Filipe Pinto, vencedor da terceira edição de Ídolos.

Entre as vozes que participam em Mourinho e os Special Ones estão o próprio cantor e os atores Rui Paulo, Michel Simeão, Diogo Mesquita, Mónica Pedroto, Rita Ruaz, Pedro Bargado, entre outros.

Criada em Portugal pela mesma equipa que produziu Gombby, em exibição na RTP2, esta nova animação foi financiada com capital obtido na Bolsa de Londres, logo no arranque de 2012, e não através dos canais de televisão, como tem sido prática habitual. Aliás, o original da série é em inglês e as vozes, ao que a Notícias TV apurou, ainda não estão escolhidas.

O projeto quer entrar noutros mercados e países como Itália, Inglaterra ou Espanha, onde Mourinho já treinou que tinham, segundo avançou o DN em maio, mostrado interesse no projeto. O chairman da empresa Sports Stars Media, Carlos Amaro, remete-se ao silêncio. "Só podemos confirmar o arranque em Portugal. A série tem uma vocação de implementação pelo mundo graças à globalidade de José Mourinho, mas estamos impedidos de revelar contactos em territórios não fechados formalmente (regras da Bolsa de Londres onde a holding está sediada)." É por estas razões que Amaro não revela valores de investimento, nem expectativas de retorno, mas certo é que "a continuação de novas temporadas da série estará sempre relacionada com o sucesso da mesma."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...