Helena Laureano volta à TVI

Após quase três anos a representar para Carnaxide, a atriz vai regressar às novelas de Queluz de Baixo.

O bom filho à casa torna, diz o ditado popular português. Depois de ter saído da TVI em 2010, Helena Laureano, de 45 anos, que está afastada do ecrã desde a novela Rosa Fogo, SIC, na qual interpretou o papel de Eduarda, vítima de violência doméstica, vai voltar a representar para Queluz de Baixo.

Helena Laureano viu, em novembro do ano passado, chegar ao fim o contrato de exclusividade que mantinha há dois anos com a SIC, mas, segundo garante a própria, não é esse o motivo que a leva a deixar a SIC. "Não foi por não me renovarem o contrato que não fiquei na SIC, pelo contrário. Quando abraço uma coisa, abraço-o a todos os níveis, foram outros fatores... Tenho pena, mas ao mesmo tempo estou muito contente porque vou rever muita gente que não vejo há muitos anos", revelava a atriz no início deste mês, mas sem querer adiantar pormenores, à margem de um evento que decorreu em Lisboa.

A atriz, que soma no currículo várias participações em novelas da TVI, entre as quais Mar de Paixão, Fascínios e Ilha dos Amores, deverá voltar à antena da TVI para integrar, desta vez, uma das próximas novelas que vão arrancar na estação dirigida por Luís Cunha Velho. "Ela vai voltar para a TVI, tudo indica que vai fazer uma novela da Maria João Mira", atira à Notícias TV fonte conhecedora do processo.

Contactada pela Notícias TV, a argumentista Maria João Mira, que assinou para a TVI a novela de época Anjo Meu, TVI, explicou que para já está a gozar um período de férias. "Não tenho ainda previsão de quando volto à escrita de novelas. Vou de férias para os EUA", disse.

A TVI, recorde-se, volta a "abrir as portas" a Helena Laureano, apesar de a atriz ter assumido em público o seu desagrado para com Queluz de Baixo. "O meu contrato era com a Plural e não com a TVI... E não foi renovado não sei porquê. Tinha, na altura, com Mar de Paixão feito o papel que trouxe mais audiência. Fui-me abaixo. Eles, na altura, justificaram a saída dizendo que o tinham feito com várias pessoas", contou a atriz, em 2011, à revista TV Guia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.