Estilistas de 'top' vestem ficção nacional

Cada vez mais atores usam peças de estilistas. Dino Alves é o mais recente criador a juntar-se à TVI para assinar uma linha de fardas e emprestar roupas à personagem de Vera Kolodzig na nova novela 'Doida por Ti'. À Notícias TV, Miguel Vieira, Nuno Gama, Nuno Baltazar, Katty Xiomara, Aleksandar Protic explicam por que aceitam fazer "corte e costura" para as novelas portuguesas.

As passerelles já não chegam para a moda. Criadores de tendências como Katty Xiomara, Nuno Gama, Miguel Vieira estão cada vez mais presentes na televisão portuguesa e fazem das novelas a sua principal montra. Como negócio, dizem que está longe de ser lucrativo, mas nenhum consegue resistir à tentação de ter publicidade e participar nas histórias de grande audiência. O mais recente aliado é o estilista Dino Alves, que acaba de se associar à novela Doida Por Ti, que se estreia em breve na TVI. Aceitou ser responsável pelo guarda-roupa da personagem que é interpretada pela atriz Vera Kolodzig. "Achei giro aceitar este desafio porque me pediram para vestir uma personagem vilã de uma forma romântica", afirma o profissional à Notícias TV.

Depois de protagonizar Espírito Indomável, onde deu vida a uma jovem selvagem, a atriz regressará ao ecrã da TVI exibindo, desta vez, vestidos "românticos" revela, em primeira mão, Dino Alves: "Emprestei roupas da minha coleção primavera/verão deste ano pois achei, em acordo com a Plural Entertainment, que eram as peças mais indicadas para se vestir a Vera. Todas elas têm um ar romântico e chique".

Mas a participação do estilista no novo projeto da TVI não se fica por aqui. Aceitou criar de raiz uma linha de fardas que será usada por funcionários de um hotel. "Desenhar e produzir estas fardas foi, na verdade, um processo que aconteceu muito rápido (risos). Tentei, acima de tudo, perceber qual era o tipo de hotel, vi imagens e visitei o interior. Disseram-me que seria à beira-mar e, por isso, apostei em tons marinhos. Todas as fardas têm verdes e fazem alusão à letra C presente no nome do hotel. É por essa razão que existe uma curva nos tecidos", explica o criador.

Dino Alves já está mais do que habituado a estas andanças. Ele dá cartas também na área do entretenimento. Os atores e humoristas do programa Estado de Graça, em exibição na RTP1, são vestidos com criações da sua autoria. "Estou com eles desde a primeira temporada do programa. Eles são artistas de referência em Portugal e, claro, isso pesou na minha decisão em aceitar fazer o guarda-roupa. Visto, sobretudo, a Maria Rueff, o Joaquim Monchique e o Manuel Marques não na pele das personagens mas, sim, nos momentos em que estão a ler os pivôs. O meu principal cuidado é que eles apareçam elegantes e com um look casual e chique", afirma.

E se Dino Alves desenha roupas propositadamente para as personagens de Doida por Ti e para o elenco de Estado de Graça, já a estilista Katty Xiomara preferiu emprestar peças de coleções anteriores para vestir a atriz Fernanda Serrano que protagoniza a novela Louco Amor, em exibição diária na TVI. "Não fiz roupas para aquela personagem, foi uma conjugação de coleções anteriores com as atuais e ainda com outras que não foram mostradas ao público. De início, a Fernanda Serrano veio aqui ao meu ateliê para ver as roupas, tentámos adaptar e ver o que lhe ficava bem ou não. E depois houve outras situações em que já não era preciso ela vir até cá, eu enviei tudo para o estúdio", conta a estilista.

Esta não é, porém, a primeira vez que Katty Xiomara aceita vestir uma personagem de uma novela. Já em Meu Amor, exibida há dois anos, a criadora emprestou roupas para a estrela da TVI Margarida Marinho interpretar Helena Vargas, que à frente das câmaras, era também uma criadora de moda. "As roupas que ela usava e que desenhava na trama eram minhas, tal como as roupas com que as manequins desfilaram", recorda.

Já o estilista Nuno Gama aceitou mostrar, pela primeira vez, as suas coleções em televisão quando a TVI exibiu em 2007 a novela Fascínios. "O ator José Fidalgo vestia as minhas roupas e lembro-me de que, na altura, tive grande impacto. Aliás, devo dizer que as pessoas associavam o nome do José Fidalgo à minha marca. Falar de Nuno Gama era falar do Zé", explica o estilista.

Seguiu-se uma parceria, recente, na novela Remédio Santo, TVI. "Para mim existe um valor primordial e que me faz aceitar estes convites que é a afinidade que eu tenho com os atores. Já conheço o João Catarré há muitos anos e aprecio a postura dele. É uma pessoa com caráter e, por isso, agrada-me que seja imagem da minha marca", sustenta o criador.

Miguel Vieira mostrou o seu talento na novela Olhos nos Olhos, exibida em 2008 na antena da TVI. "Escolher essas roupas para a personagem do Marco Delgado foi algo difícil e divertido. O ator, lembro-me, fazia o papel de um homem que tinha um problema de pele e que não podia apanhar luz do sol. Foi complicado ter de conjugar as cores das roupas com a cor da pele, que era muito branca, do Marco", recorda o estilista que "por falta de tempo" para desenhar criações únicas para personagens dá prioridade ao empréstimo de peças. É também com roupas da sua autoria que os atores Afonso Pimentel e João Catarré vão surgir na novela Doida Por Ti, na TVI.

Já Alexsandar Protic tem sido o criativo que tem vestido estrelas da SIC. Desenhou, numa primeira participação, roupa para a atriz Cláudia Vieira que na pele da bailarina Maria protagonizou a novela nomeada para o Emmy Internacional Rosa Fogo. E desenhou também vestidos de noiva para as personagens de Joana Ribeiro, Maya Booth e Vera Alves. "Desenhar para personagens de televisão não é uma coisa que normalmente faça, depende das personagens em causa, da novela e das atrizes. Já aconteceu emprestar roupas de coleções feitas mas também desenhar de propósito para aquela personagem como foi o caso dos vestidos de noiva. O modelo usado pela Vera Alves não era bem um vestido de noiva, era um vestido de noite mais elaborado por causa da idade da personagem", explica o estilista.

O que os estilistas ganham por mostrar criações nas novelas

Mostrar peças de roupa na televisão e associá-las a personagens de novela dá maior visibilidade aos artistas. Esta é a opinião partilhada por todos os estilistas nacionais ouvidos pela Notícias TV. "O facto do meu nome aparecer no final de cada episódio neste caso da novela Dancin'Days dá-me retorno publicitário", começa por reconhecer Aleksandar Protic. Também Katty Xiomara não hesita e admite que a "televisão é um dos meios de comunicação mais fortes". "Esta aliança é boa claro, é uma troca, as pessoas acabam por ver que sou eu que visto, neste caso, a Fernanda [Serrano] e as roupas que tenho. É difícil até fazer a avaliação real do que isto representa, mas claro que é bom".

Dino Alves vai, em breve, receber aquele que é para si o melhor dos retornos. "Vou participar num episódio da novela Doida Por Ti. Haverá um desfile em que eu apareço como estilista. E o meu nome vai também ser falado em alguns episódios. É muito engraçado ver a realidade entrar na ficção. E tudo isto é uma grande conquista para mim!", revela o criador à nossa revista.

As parcerias entre estilistas e as estações de televisão traduzem-se em vários acordos como explica a figurinista Alexandra Alves que trabalha, há 18 anos, na produtora Plural Entertainment: "Comprámos-lhe entre 12 a 15 peças de roupa, mais vestidos que vão ser usados pela Vera Kolodizg. Não lhe vou falar em números, mas no caso do Dino Alves fizemos um acordo que foi criar um pacote. Digamos que foi quase uma troca, o desenho das fardas por publicidade".

Teresa Alves admite que a "moeda de troca" mais recorrente usada entre os criadores de moda e a TVI são os cartões de publicidade exibidos após o genérico de uma novela que mostram o nome e a marca do estilista. "Um cartão de publicidade, que mostra o nome do criador no fim da novela, em horário nobre chega a valer 1750 euros. Há outros que atingem o valor de 1350 e 1250 euros, mas tudo depende da novela em causa", pormenoriza a responsável da TVI.

Colega de profissão, Dora Luís, atual figurinista de Dancin'Days e de outras produções da SIC como Rosa Fogo e Laços de Sangue, adianta que um cartão de publicidade na SIC "pode valer cerca de 1000 euros por uma exibição diária com duração de três segundos". "O casaco e o vestido curto que foram desenhados pelo Aleksandar Protic para a personagem Maria, interpretada pela Cláudia Vieira, na novela Rosa Fogo foram peças que adquirimos por um preço especial e não pelo preço comercial. O que faço, por norma, é passar um cartão de publicidade com o nome do estilista e fazer um preço mais conveniente", esclarece ainda a figurinista.

Já Miguel Vieira prefere, antes, lembrar que qualquer estilista que associa a sua marca a uma novela não colhe apenas lucros. Corre, na sua opinião, vários riscos. "A televisão é, sem dúvida, uma grande plataforma para fazer chegar as nossas peças aos olhos do grande público e muitas vezes somos abordados graças a essa aparecimento. Mas pode haver um reverso da medalha já que uma personagem de uma novela pode ser odiada pelo público. E se as pessoas odiarem a figura, odeiam o global e isso envolve a marca".

Dino Alves, embora se tenha ligado à TVI, reconhece não ter pretensões de ver o seu nome ser agregado de forma contínua às novelas nacionais. "Sim, admito que vendo muito das minhas peças por fazer figurinos para a televisão mas, sobretudo, para o teatro até porque não tenho lojas em muitos pontos de venda. Mas também não quero que o meu nome seja exageradamente conhecido", atira. E, de imediato, justifica o porquê da sua postura: "Nem todo o público me interessa. Há até muitos convites que me fazem e eu recuso. Não gosto de fechar portas, mas o que acontece é que há muitas pessoas que me abordam por uma determinada figura da televisão usar as minhas roupas, mas quando cá vêm ao meu ateliê percebo que não encontram aquilo que estavam à espera. Todos nós temos os nossos códigos".

Já Nuno Gama acredita que mostrar as criações de estilistas nacionais em projetos de ficção ajudam a desmistificar a ideia de que os estilistas de moda só desenham e produzem peças de roupa ou acessórios "estranhos". "Eu acho que estas parcerias são interessantes porque permitem que as pessoas percebam que os criadores de moda também fazemos peças práticas e que são possíveis de usar no dia a dia".

Nuno Baltazar, que assina o guarda-roupa da apresentadora de televisão da RTP Catarina Furtado, tem-se mantido à margem desta realidade. "Não entro em novelas porque não me pagam para isso. E nós não vivemos do ar, não podemos estar sempre a fazer borlas. Já surgiram convites sim, mas nunca quis", revela o estilista à Notícias TV.

Roupas de estilistas são desejadas por atores e público

Vestir, à frente ou longe das câmaras de televisão, uma peça de roupa, sapatos ou acessórios assinada por Miguel Vieira, Nuno Gama, Katty Xiomara, Dino Alves e Alexandar Protic é um luxo que as estrelas da televisão portuguesa agarram com "unhas e dentes". "Os atores gostam de ficar com as roupas dos estilistas, é uma tentação para todos eles! (risos)Aliás, muitos deles fazem questão de ficar com as peças porque criam uma ligação afetiva à roupa", conta à nossa revista a figurinista Teresa Alves.

A par do Brasil, país onde o público masculino e feminino faz questão de ter roupa igual às figuras da televisão, o fenómeno repete-se também em Portugal. Homens e mulheres, de diferentes faixas etárias, entram em contacto com produtoras e as estações de televisão por forma a conseguir saber onde podem comprar roupas iguais às dos seus ídolos.

"Tenho recebido muitos e-mails e telefonemas de pessoas que me perguntam onde podem comprar os vestidos que são usados pela Júlia [ papel entregue à atriz Joana Santos, na novela Dancin'Days, SIC]. Nunca mais me esqueço de um senhor que nos telefonou várias vezes, chegou a vir até cá às nossas instalações e, dias mais tarde, foi à redação da rádio RFM porque queria oferecer uma mala que era usada pela personagem Inês [interpretação a cargo da atriz Diana Chaves na novela Laços de Sangue, SIC] à namorada. O problema é que nós não lhe soubemos indicar onde poderia comprá-la. Temos muitas peças e aquela mala já a tínhamos há muitos anos...", revela à Notícias TV a figurinista, que trabalha para as produções da SIC, Dora Luís.

Crise económica não afasta contratações de criadores de moda

Apesar de a atual crise económica que Portugal atravessa e atinge, em consequência, o mercado dos media, as estações privadas SIC e TVI pretendem continuar a investir na contratação de estilistas portugueses para abrilhantar os produtos de ficção nacional. Esta é a garantia avançada à Notícias TV por Dora Luís: "Não mudei a nossa maneira de trabalhar por causa da crise. Na minha opinião, o mais importante é eleger muito bem momentos-chave da história e as personagens mais fortes para usar essas roupas que são especiais. As nossas parcerias têm funcionado muito bem".

Também a figurinista Teresa Alves pretende manter as produções da TVI associadas aos criadores de moda nacional. "Nós sempre trabalhámos com estilistas. A primeira vez que isso aconteceu foi com o estilista Augustus. Foi ele quem vestiu a atriz Ana Zanatti, na novela Desencontros, que passou na RTP1, em 1994. A crise não está a acelerar nem a pôr de lado estas parcerias, sempre houve uma boa ligação", garante a profissional.

Entretanto, Nuno Gama deixa através da Notícias TV um apelo aos portugueses. "Comprem produtos nacionais, independentemente do que isso signifique. Comprem roupa de criadores ou não, música e abasteçam os carros em gasolineiras portuguesas... só assim o dinheiro fica cá em Portugal e isso evitará que paguemos tantos impostos", sugere o estilista.

Ler mais

Exclusivos