Espectadores vão escolher final de 'Remédio Santo'

O último episódio da novela vai para o ar em breve e o destino das personagens será entregue ao público. Autor aplaude a iniciativa e considera que esta é uma forma de envolver os espectadores na história.

Afinal, ainda está tudo em aberto. Os atores da novela RemédioSanto exibida na TVI gravaram finais diferentes e ainda não se sabe qual deles irá para o ar. Isto porque a decisão será entregue aos espectadores que seguem a trama assinada por António Barreira.

A TVI justifica a sua opção dizendo que esta é uma novela "que pela sua riqueza proporciona várias hipóteses para finais possíveis". No entanto, a estação de Queluz de Baixo rejeita que esta seja uma tática para refrear a conquista de audiência da SIC no horário nobre. "É uma estratégia que decorre apenas da vontade de estabelecermos laços com os nossos públicos, de quem gostamos de saber o que esperam da sua novela que seguem todos os dias", justifica fonte oficial do canal.

António Barreira, autor da novela, encara a iniciativa com bons olhos e refere que é um sintoma dos novos tempos. "Temos de nos adaptar a esta interatividade com o público, que é algo que está cada vez mais presente na televisão. É também uma forma de agradecer ao público, que tem sido maravilhoso", salienta Barreira.

A atriz Paula Lobo Antunes, que na novela veste a pele de Sara, sublinha que esta é uma forma de "cativar" os espectadores e acrescenta: "Não foi estranho gravar vários finais. É uma experiência engraçada." O colega de elenco Almeno Gonçalves diz que a iniciativa é "fantástica" e que em nada adultera o sentido da história.

António Barreira revela que não tem um final preferido e garante que o público vai ser surpreendido independentemente do final que seja escolhido. "Todos os finais fazem sentido. Espero que o público delire. Posso garantir que qualquer um deles é bastante ousado", remata.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...