Bruno Santos: "Estamos atentos e teremos de nos preparar para a concorrência"

O novo diretor de Programas da TVI, Bruno Santos, crê que vem aí "uma boa disputa" para os domingos com Rising Star - A Próxima Estrela. Na noite em que o canal recebeu 12 troféus - humor, novelas, programa e informação -, o responsável respondeu às críticas sobre mexidas nas novelas e falou de Melhor Do Que Falecer.

A TVI estreia Rising Star - A Próxima Estrela este domingo. Como antecipa o embate com o programa similar na RTP, o The Voice Portugal, e que levou a estação pública a níveis que Bruno Santos conheceu quando estava na empresa, quando da exibição de Operação Triunfo?

Acho que vai ser um bom embate, são dois programas do mesmo género. Temos tido A Tua Cara não Me É Estranha com o The Voice Portugal, a primeira tem ganho. O Rising Star é um formato mais talent show do que A Tua Cara não Me É Estranha, que é um formato muito mais aberto e mais variado. Vai ser uma boa disputa.

Esta quebra de uma semana não vai criar afastamento?

Se for para especular, especulamos, mas tenho muita fé de que não. O Rising Star é um formato disruptivo, diferente, as pessoas vão querer ver o que é, vão querer ir lá. Temos grandes vozes, grandes histórias, grandes concorrentes, dois bons apresentadores, um excelente painel de jurados, uma grande produção, e não há motivo para não projetar o programa.

Quantos inscritos teve?

Tivemos acima de dez mil candidatos e já estamos simplesmente na fase de depuração e de filtragem. [A TVI anunciou posteriormente que iria manter os castings abertos durante o programa através de vídeos disponibilizados através do Instagram]. A aplicação [app] gratuita para votar está a ser muito bem recebida. Quanto ao painel de jurados, só temos uma única pessoa que não é da área da música, mas tem um background que tem histórico na indústria, nas rádios: o Pedro Ribeiro, que tem muito à-vontade e muito know-how. Abrimos essa exceção porque consideramos que é muito importante ter um elemento com esse conhecimento. [Rita Guerra, Cuca Roseta e Carlão são os restantes jurados a par dos votantes em casa]

E a chegada de Power Couple, o reality show da SIC para as noites de domingo, com Bárbara Guimarães, que vai arrancar a 25 de maio, preocupa-o?

Preocupa como nos preocupam todas as coisas que a concorrência faz. Estamos atentos e teremos de nos preparar para a concorrência. É uma reação da SIC e cá estaremos.

A TVI introduziu alterações à novela O Beijo do Escorpião e levou uma parte dos atores a gravar em Lloret de Mar. Os resultados foram os esperados?

Sabemos que isso não é uma coisa imediata. São intervenções que estão a ser feitas na trama e, evidentemente, que muitas delas já tinham sido pensadas, mas achamos que a novela vai melhorar. Ontem [21 de abril] já fez um bom resultado.

A história vai conseguir impor-se no horário, a Sol de Inverno (SIC), com estas alterações?

Não fazemos futurologia, queremos que a novela melhore os seus resultados, melhore a sua performance, e é nisso que estamos a trabalhar.

Mas esperava que Lloret de Mar provocasse um efeito mais imediato do que o que provocou?

Não. Nós não criamos expectativas de imediatismo, sabemos que isso é um caminho que se faz caminhando. A outra novela está muito bem implementada no mercado, a nossa também. E de uma hora para a outra ninguém consegue fazer um clique na cabeça dos espectadores. Não esperamos milagres.

Houve Lloret, mas também crítica de atores que falaram em baralhação da história.

Não vou comentar comentários.

Ficou surpreendido pela reação demonstrada pelos atores?

Não recebi nenhuma reação dessas. Li essas "bocas" em alguma imprensa, mas não sabemos.

Alguma imprensa foi a nossa. Inclusivamente, Dalila Carmo disse à Notícias TV que esta alteração tinha introduzido alguma confusão na história: "Não sei o que é antes e depois de Lloret de Mar. Nós já estávamos avançados e isto são episódios que foram acrescentados agora para a Páscoa. Em termos de continuidade fez-nos um bocadinho de confusão", afirmou.

Ela disse que estava meio confusa, mas acho normal porque foi criada uma trama dentro da trama e os atores já estavam alinhados com um percurso. Sobretudo a trama da Dalila, que é onde a intervenção é feita em maior medida, acho natural. A intervenção foi feita exatamente no coração da família da protagonista, envolvendo o filho André [Rodrigo Paganelli]. Acho que ela já não está mais confusa.

E a nova novela Mulheres, quando arranca?

A nova novela arrancará em breve...

Brevemente, quando? Dentro de um mês?

Sim, por aí, mais ou menos. Não vamos anunciar nem a data nem a faixa horária, evidentemente.

Mas irá conseguir inverter a tendência de liderança da concorrência?

Vamos ver. A concorrência é líder numa faixa muito específica de horário nobre, num produto muito específico, numa novela. Há um outro horário...

Que tem estado muito renhido.

Renhido mas pendente mais para o nosso lado do que para o lado deles. Essa coisa de inverter tendências... É bom lembrar que a TVI lidera no prime time de segunda a domingo, no mês. E posso repetir que as contas se fazem no final, não é? Os cães ladram e a caravana passa. É apenas um horário e estamos muito próximos da concorrência. Ontem [quarta-feira 23 de abril] foi por um fio e quero acreditar que isso seja uma tendência.

Já lá vão quase dois meses de consultoria de José Eduardo Moniz com a TVI. Que balanço faz? Era o que estava à espera?

O José Eduardo Moniz é uma pessoa que dispensa apresentações, sabe muito o que faz e tem tido ideias muito boas e muito produtivas para a TVI nesse trabalho dele como consultor.

Ricardo Araújo Pereira vem para ficar por mais uma temporada em Melhor Do Que Falecer?

Para já, é uma temporada. Estamos muito satisfeitos.

Esperava melhores resultados?

Não dá para fazer análises imediatas porque o Ricardo Araújo Pereira é uma aposta de posicionamento da TVI. Tem muito boa audiência, mas também traz uma qualidade de audiência muito interessante para o horário nobre da TVI. Não se trata apenas de trazer públicos do target comercial, mas trazer outros. É um todo.

Depois destes primeiros três meses, faz pausa no verão e regressa na rentrée?

Ah, isso não vou dizer (risos).

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG