O código secreto da Capela Sistina

Enquanto os papas rejubilavam com os frescos do teto, Miguel Ângelo ocultava na Capela Sistina críticas à decadência da Igreja. Um legado muito pouco católico do mestre renascentista, recordado na celebração dos quinhentos anos da joia do Vaticano.

A ideia que Miguel Ângelo tinha de si mesmo como artista não coincidia com os planos que Júlio II tinha para o mestre renascentista. Queria o papa que o teto da Capela Sistina, no Vaticano, se tornasse um gigantesco fresco retratando a criação de Adão e Eva, Noé e o Dilúvio, Deus a formar o mundo e outras cenas bíblicas que reforçassem o prestígio da Santa Igreja junto dos fiéis. Miguel Ângelo, que se considerava escultor e não pintor, criou a obra-prima que fez o mundo ajoelhar de devoção, mas aproveitou para se vingar com elegância: muitos dos conteúdos dos frescos, codificados para iludirem a vigilância do pontífice e pouparem o artista à morte, revelaram ser mensagens esotéricas e críticas veladas à decadência da Igreja. Só isso explica que o Vaticano não festeje com pompa os quinhentos anos desta obra, visitada anualmente por quatro milhões de turistas.

O projeto de construção da Capela Sistina, à imagem do lendário Templo de Salomão, em Jerusalém, descrito pelo profeta Samuel no Livro dos Reis, foi encomendado em 1475 pelo papa Sisto IV, que lhe deu o nome. Porém, só entre 1508 e 1512, sob as ordens de Júlio II (sobrinho de Sisto), é que Miguel Ângelo concebeu as famosas pinturas narrando a história da criação, num processo crivado de animosidade entre o artista solitário e um papa impaciente em ver o trabalho concluído. Em pouco tempo, Miguel Ângelo dispensou todos os ajudantes que o serviam, ao perceber que o melhor trabalho de que eram capazes não satisfazia o seu grau de exigência. Devido ao cansaço, retenção de líquidos, pedras nos rins e problemas respiratórios, tanto contorceu o corpo nos andaimes que ganhou reumatismo e escoliose. A vista ficou-lhe turva, das gotas de tinta que caíam do teto e da minúcia dos pormenores, mas o mestre não desarmava.

«Quando estará pronta a minha capela?», perguntava invariavelmente Júlio II, o Terrível, ameaçando substituir Miguel Ângelo caso não desse conta do recado. «Quando eu puder», era a resposta do artista, a braços com falta de paciência, dificuldades financeiras, problemas de saúde e aquelas quase trezentas figuras descomunais que o consumiam - mas que resultaram tão perfeitas quando as terminou que mais pareciam esculpidas em mármore de Carrara. A sibila Líbia foi uma delas, erguendo na mão a tocha que ilumina o mundo e profetizando sobre Cristo. Ninguém pareceu reparar que ela também se tornou famosa ao prever a chegada do dia «em que todo o oculto será revelado», sugerindo que o autor pintou a sonhar com o tempo em que o seu código seria revelado ao mundo.

Mais tarde, Miguel Ângelo diria que a boa pintura se aproxima de Deus. «Não é mais do que uma cópia das suas perfeições, uma sombra do seu pincel, a sua música.» Já nada podia apagar o código secreto ocultado nas imagens que representam a criação do universo, sete episódios do Génesis, cinco sibilas (que teriam anunciado a vinda de Cristo), sete profetas, a embriaguez de Noé e façanhas heróicas do povo de Israel, incluindo Judite matando Holofernes, David vencendo Golias e Ester denunciando as perseguições de Amã aos judeus. O papa rejubilava ao olhar os frescos. Estava longe de imaginar que o artista usara o seu humor rebelde para criticar a decadência da Igreja, passar mensagens esotéricas a quem as soubesse interpretar e declarar a sua admiração ao povo judeu, ao Talmude e à Cabala.

Foi isto mesmo que descobriram, alguns séculos mais tarde, os especialistas em judaísmo Roy Doliner e Benjamin Blech, confirmando no livro Os Segredos da Capela Sistina, As mensagens proibidas de Miguel Ângelo no coração do Vaticano (ed. Casa das Letras): «Às vezes, ele usava códigos ou alusões simbólicas que eram parcialmente escondidas, por vezes sinais que só poderiam ser entendidos por certos grupos religiosos, políticos e esotéricos. São mensagens que ecoam nos dias de hoje com o seu apelo corajoso para a reconciliação entre a razão e a fé, a Bíblia Hebraica e o Novo Testamento, e entre todos os que se irmanam na busca sincera pela fé verdadeira e no serviço de Deus.»

Mas nem só os frescos de Miguel Ângelo guardaram mensagens ocultas durante mais de cinco séculos. Segundo exames complexos realizados recentemente pelo Museu Britânico, recorrendo a tecnologia de ponta, vários esboços de Leonardo da Vinci, Rafael Sanzio, Andrea Mantegna e do próprio Miguel Ângelo revelaram que os grandes nomes da Renascença eram recorrentes na arte da ocultação. Uma Virgem Maria de Leonardo deixa antever, por baixo, rascunhos de um gato e um Menino Jesus. Um desenho da Virgem com o Menino, da autoria de Mantegna, revela, numa camada inferior, traços de uma mulher rodeada por dois querubins que, entretanto, acabaram apagados pelo artista. Miguel Ângelo modelou a sua Madona de Bruges, uma escultura exemplar da Virgem com o Menino, sobre o desenho de um torso que começou por ser inegavelmente masculino.

«Através destes desenhos é possível ligarmo-nos àqueles momentos criativos, como se espreitássemos por cima do ombro dos artistas», disse Hugo Chapman, curador dos esboços italianos no Museu Britânico, em declarações à imprensa. «Teríamos de ter estado com eles no estúdio para ver aqueles desenhos em particular. Isto é como uma máquina do tempo», congratula-se o perito, deslumbrado com o modo como os traços profundos desvendam o ensaio das poses, da anatomia e do movimento finais das grandes obras. No caso da Capela Sistina, a subversão de Miguel Ângelo está lá para quem souber vê-la. Nunca a expressão «o essencial é invisível para os olhos» teve tanto significado.

NA ABÓBADA

Hebreu

No fresco que retrata o episódio bíblico de Judite e Holofernes, em que a princesa hebraica decapita o capitão dos filisteus para salvar o seu povo, os braços de Judite e da criada que com ela carrega o cesto com a cabeça do militar morto formam o perfil da letra hebraica Chet, a simbolizar o lado feminino e carinhoso da Árvore da Vida (um conceito cabalístico).

Júlio II

Zacarias foi o profeta que denunciou os sacerdotes corruptos do segundo templo de Jeová e aqui toda a cena remete para a podridão do papa Júlio II. O anjinho loiro que passa o braço por cima do seu ombro reforça o tom fazendo um gesto obsceno.

Cabala

Na cena em que David derrota Golias, a figura do rapaz e o V invertido formado pela cabeça e os braços do gigante desenham a letra hebraica Gimel, simbolizando a esfera de Gevurah que, na Cabala, é uma energia que se canaliza para superar obstáculos e vencer. É a própria essência do ato de conquistar e Miguel Ângelo quis dizer com aquilo que a força divina esteve sempre sobre o braço do pequeno pastor.

O papa iletrado

As cinco sibilas pagãs (Ciméria, Prisca, Dafne, Líbia e Sambeta) simbolizam os cinco impérios (Egipto, Babilónia, Grécia, Roma e Pérsia) que hostilizaram os judeus. Já os sete profetas, todos carregando escritos e livros (menos Jonas), rezam para a erradicação dos cultos pagãos, numa invetiva contra Júlio II, que sempre que possível optava pela espada em detrimento das letras.

Pecados

Dois pecadores andam em quatro patas e trajam de vermelho e dourado, as cores de Roma que vestem também a mulher cujo vestido serve de pano de fundo a uma cabeça de asno. Para o artista, o vermelho e o dourado são sinónimo dos incontestáveis pecados papais.

A arca de Noé

De acordo com o Talmude, a arca de Noé era uma grande caixa que jamais teria podido flutuar sobre as águas do dilúvio sem o auxílio divino. Isso mesmo significa a palavra hebraica Teivah que surge na Tora, com Miguel Ângelo a seguir uma vez mais a tradição do judaísmo em detrimento da ortodoxia cristã.

Fruta proibida

Reza a Bíblia que a pureza original se perdeu quando Eva ofereceu uma maçã a Adão, mas aqui o mestre renascentista optou por substituir a maçã por figos - sinal de que a Árvore da Vida seria uma figueira e, como tal, teria folhas maiores para o casal poder cobrir as partes pudendas. Um sinal de que um Deus compassivo (e não vingativo) assegurava a cura para as consequências dos pecados.

Adão

Quando Adão estica o braço para colher os figos da árvore, o seu órgão sexual fica posicionado na direção do rosto de Eva, numa pose muito ousada que não passou despercebida à Igreja. Essa a razão por que a reprodução da cena foi proibida pela instituição até finais do século xix.

Eva

Segundo o dogma cristão, Eva foi criada diretamente por Deus da costela de Adão. Mas a Bíblia hebraica garante que foi da parte lateral do corpo do primeiro homem e assim mesmo a representa Miguel Ângelo, rebelando-se mais uma vez contra a ortodoxia católica.

Anatomia

Na imagem que batizou de A Criação de Adão, o mestre mostra possuir vastos conhecimentos da anatomia humana, conseguidos a dissecar às escondidas cadáveres de réus executados. Em 1990, o médico Frank Lynn Meshberger já havia publicado um artigo sustentando que Deus se apoiava numa plataforma com a forma anatómica de um cérebro completo e acrescentava que o manto vermelho do Criador se assemelhava a um útero e que a écharpe verde que lhe sai do ventre bem poderia ser um cordão umbilical.

Desaire

Após tantos anos a subir e a pendurar-se no andaime, cansado das discussões com o papa e com a tinta que custava a secar como queria, Miguel Ângelo armou-se de subtileza e introduziu um desaire cósmico na visão de conjunto: eis que o vestido púrpura do Criador se abre e deixa ver o que Ele preferia certamente guardar só para si. Em vez disso, Deus passará a vida a mostrar o traseiro ao papa a partir do teto da capela que ele próprio insistiu em mandar pintar.

Código revelado

A sibila Líbia ficou famosa por anunciar a chegada do dia em que todo o oculto seria revelado e, ao pintá-la, o mestre pensava no dia em que também o seu código secreto inscrito na Capela Sistina seria finalmente conhecido de todos. O seu desejo concretizou-se quando Roy Doliner e Benjamin Blech decifraram as mensagens e as publicaram no livro (de 2009) Os Segredos da Capela Sistina.

Pobreza

Jeremias, profeta do Antigo Testamento, observa com tristeza e alguma raiva o luxuoso trono colocado sob o baldaquino papal. No pergaminho da direita lê-se a palavra Alef, a significar Deus único, e a letra hebraica Ayin, traduzida por 70, ajuda a passar a mensagem final de que "um enfrenta 70". Um claro aviso para que Júlio II conserve a pureza cristã em vez de se deixar corromper pelo materialismo.

Pentateuco

O anjo situado mais em cima estende a palma da mão para formar o número cinco com os dedos. O anjo mais em baixo olha sem vergonha para as pernas nuas de Jonas e chama a atenção para o facto de também elas formarem a letra hebraica He, correspondendo ao número cinco que representa o Pentateuco (os primeiros cinco livros da Bíblia), injuriado por uma Igreja que Miguel Ângelo considerava obsoleta.

O JUÍZO FINAL

Mulheres

Repetindo a técnica que já tinha usado para as sibilas, o mestre pinta a reunião das suas mulheres justas a partir de modelos masculinos cheios de músculo e testosterona, acrescentando-lhes depois rostos femininos e seios secos como passas de uva. No final, as mulheres justas não ficam a dever nada aos praticantes de culturismo dos tempos modernos, focados no culto do corpo.

Pontos de cor

É ao francês Georges-Pierre Seurat que se atribui o pioneirismo da técnica do pontilhismo (precursora do neo-impressionismo, da televisão e da imagem digital) no final dos anos de 1880, mas na verdade Miguel Ângelo criou o rosto da sua Virgem a partir de diminutos pontos de cor que, no conjunto, resultam em traços perfeitamente corridos. Um homem muito à frente do seu tempo.

Jesus

Não tem barba, é musculado ao pormenor, sensual e severo como uma das muitas estátuas gregas exibidas ao público nos museus do Vaticano. Ainda assim, trata-se de Jesus, que vem romper novamente com os desígnios da Igreja para mostrar que o Salvador bem podia ter sido um Apolo esplendoroso, que nem por isso deixaria de cumprir na perfeição o seu papel de redentor da humanidade.

Judeus

A Igreja defendia piamente que os judeus jamais teriam direito à recompensa celestial, mas Miguel Ângelo pensava de maneira diferente e, ignorando a blasfémia em que incorria, colocou-os precisamente dentro do círculo interior dos justos, abençoados por um anjo de vestes vermelhas.

Crenças secretas

Desanimado com a decadência do mundo eclesiástico, o mestre renascentista foi-se afastando progressivamente da fé católica e abraçando os ideais secretos do grupo dos Iluminados, fundado pelo humanista espanhol Juan de Valdés para sublinhar que cada ser humano tem a capacidade de fazer os seus próprios julgamentos e saber o que é bom e verdadeiro. No fresco, a Virgem olha para a poetisa e monja Vittoria Colonna, sucessora de Valdés após a sua morte.

Legado de fé

Sentado à direita e aos pés de Jesus Cristo, Miguel Ângelo pintou São Lourenço, santo do seu primeiro mecenas, Lorenzo, o Magnífico, e tesoureiro da primeira Igreja de Roma. Lourenço sempre proclamou que a verdadeira riqueza eclesiástica estava na fé das congregações e não no ouro, de maneira que serve de aviso aos desaires papais.

Pornografia divina

Aludindo aos problemas de saúde causados pelo pó de gesso, Miguel Ângelo pintou o padroeiro dos gesseiros na Capela Sistina, mas dando-lhe o rosto de Pietro Aretino, pornógrafo da época e companheiro no grupo dos Iluminados que ambos frequentavam. O mestre acreditava que, embora lidando com sexo, Aretino estava mais próximo de Deus do que a própria Igreja.

Autorretrato

Desprovida de ossos, a pele que o santo padroeiro dos gesseiros segura na mão é um auto-retrato de Miguel Ângelo, que assim assinou a sua obra à revelia das ordens do Vaticano. O farrapo orgânico sugere ainda que o ato de pintar, que ele trocava de bom grado pela escultura, era pior do que morrer esfolado.

Homossexualidade

Conta a história que Miguel Ângelo estaria perdido de amores pelo caricaturista de 38 anos Tommaso dei Cavalieri e, como a arte tudo permite, não foi de modas e deu os traços do apaixonado à face do homem para quem Jesus olha fixamente, alheio a tudo o mais que se passa à sua volta. Uma declaração do amor homossexual do autor.

Marte fálico

A coluna desenhada na parte superior da imagem, com a sua forma fálica e grandes dimensões, simboliza Marte. E o pintor exagerou propositadamente as costas do anjo que a segura pela base - musculadas, de contornos arredondados e divididas em duas partes pela linha da coluna - de modo a criar uma espécie de escroto que completa o órgão masculino do deus da guerra.

Gays celestiais

Jovens abraçados e a beijarem-se, um rapaz que toca com os lábios a barba de um ancião, casais apaixonados que não escondem a sua felicidade masculina nem mesmo perante o olhar desaprovador de Dante. No céu imaginado por Miguel Ângelo cabia de tudo um pouco e não havia lugar para a discriminação.

Luxúria

Sinónimo de sexo sem amor, a Luxúria é o pecado capital que o mestre castiga com a dureza máxima dos seus pincéis, condenando-o a ser arrastado pelos testículos até à perdição. A agonia extrema é sentida na forma como morde os nós dos dedos para não gritar.

Castigo

Ocupando na totalidade a parede por detrás do altar, a cena d"O Juízo Final foi pintada entre 1543 e 1541, já no pontificado de Paulo III, que designou um censor pedante, Biagio da Cesena, para vigiar o trabalho de Miguel Ângelo. O sacerdote criticou «a orgia de obscenidades pagãs e hereges» do mestre renascentista em «solo sagrado». O pintor ridicularizou-o na figura do ganancioso rei Minos, a última que criou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Brasil e as fontes do mal

O populismo de direita está em ascensão, na Europa, na Ásia e nas Américas, podendo agora vencer a presidência do Brasil. Como se explica esta tendência preocupante? A resposta pode estar na procura de padrões comuns, exercício que infelizmente ganha profundidade com o crescente número de países envolvidos. A conclusão é que os pontos comuns não se encontram na aversão à globalização, à imigração ou à corrupção política, mas sim numa nova era de campanhas eleitorais que os políticos democráticos não estão a conseguir acompanhar, ao contrário de interesses políticos e económicos de tendências não democráticas. A solução não é fácil, mas tudo é mais difícil se não forem identificadas as verdadeiras fontes. É isso que devemos procurar fazer.

Premium

João Almeida Moreira

1964, 1989, 2018

A onda desmesurada que varreu o Brasil não foi apenas obra de um militar. Não foi, aliás, apenas obra dos militares. Os setores mais conservadores da Igreja, e os seus fiéis fanáticos, apoiaram. Os empresários mais radicais do mercado, que lutam para que as riquezas do país continuem restritas à oligarquia de sempre, juntaram-se. Parte do universo mediático pactuou, uns por ação, outros por omissão. Os ventos norte-americanos, como de costume, influenciaram. E, por fim, o anticomunismo primário, associado a boas doses de ignorância, embrulhou tudo.

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.