Amamentação em blogue

A jornalista e escritora Catarina Beato e o fotógrafo Tiago Figueiredo resolveram traduzir num blogue a experiência da amamentação. Em www.loove.pt várias mulheres contam tudo sobre este ato de amor que fortalece a ligação entre mãe e filho.

Os dias de Catarina Beato, 35 anos, são partilhados só com os dois filhos - Gonçalo, de 10 anos e Afonso, de 2. Ser mãe é a parte maior da identidade em constante construção desta jornalista solteira que tem um blogue chamado Dias de Uma Princesa, escreve «Crónicas de Uma Desempregada» no jornal online Dinheiro Vivo e diz que é suburbana e mimada e mamífera e que essa é a sua essência.

Tiago Figueiredo, 38 anos, não tem filhos e quis ser uma série de coisas até descobrir que olhar o mundo e registá-lo em filme mais do que um prazer era uma missão. Numa viagem de dois meses por Angola, onde esteve a filmar um documentário, as mães que amamentavam os filhos como se nada houvesse de mais natural (e haverá?) prenderam-lhe a atenção. Um dia, numa viagem de comboio entre Benguela e Cubal, ganhou coragem e fotografou uma delas. E naquele momento percebeu que todo o pudor que sentiu era deslocado e que acabara de captar a natureza no seu estado mais puro.

Foi, por isso, com entusiasmo que aceitou o desafio de Catarina de mostrar ao mundo a beleza da amamentação. Sem mais pretensões. Nem pedagógicas nem científicas. E assim nasceu o blogue Loove: amor, em inglês, prolongado nos dois «oo», que, no logótipo, parecem ser duas maminhas.

Para Catarina, a ideia foi tomando forma nos fóruns de amamentação a que se ligou depois do nascimento do segundo filho. E acompanhou a decisão de que, dessa vez, dar de mamar seria isento de culpas e enquanto mãe e filho quisessem e pudessem. Sem querer cair em fundamentalismos, mas considerando importante desmistificar um ato em relação ao qual por vezes as posições se extremam, Catarina decidiu partir dele para contar histórias, que é o que gosta de fazer, ilustradas, no blogue, pelos retratos do Tiago. Ou serão as experiências contadas pela Catarina que legendam as fotografias do Tiago? A simbiose é tal que nem uma coisa nem outra. Histórias e retratos acasalam para dar a ver que «amamentar é muito mais do que alimentar.»

«Não queremos ser um blogue informativo, nem de apoio, nem de aconselhamento, até porque não temos competências técnicas. Não pomos de lado a possibilidade de vir a ter testemunhos de pediatras, enfermeiros ou outros especialistas, mas a ideia por enquanto é apenas sensibilizar as pessoas para a importância da amamentação e mostrar que é um momento líndissimo», explica Catarina Beato. Já para Tiago, que desenhou o site e abraçou o projeto como a um filho acabado de nascer, trata-se antes de mais de «devolver à amamentação o seu caráter natural e institivo». Aquele que descobriu em África e sente que se perdeu na sociedade ocidental e contemporânea. «É essa verdade que procuro nas fotografias que faço. E tem sido um trabalho muito interessante. Pensei que fosse muito mais difícil», conta o fotógrafo.

Ambos resumem o conceito assim: «São muitos verbos que cabem no verbo amamentar. Na verdade, amamentar não devia ser um verbo, nem sequer um nome comum, como mama. Seria um nome coletivo para tudo aquilo que uma mãe transporta: mimo, proteção, cumplicidade, sustento. Amamentar é um sinónimo de amor. O Loove tem como único objetivo mostrar a beleza deste ato de amor. E dar a conhecer os protagonistas destas histórias. Que, como todas as outras verdadeiras histórias de amor, têm muitos começos, momentos complicados e dias bons, mas sempre um final feliz. Loove é isso.»

Através dele conhecemos a Janaina, mãe do Martim, para quem amamentar não é uma opção, «vem nas funções»; ou a Vanessa, que amamenta orgulhosamente os gémeos Núria e Vicente; ou a Mónica, mãe do Zé, que confessa que o melhor da amamentação é o que significa de superação: «Custa, dói, é chato e obriga a superar-me, a chutar as minhas fraquezas para longe e a pensar além do meu umbigo. É uma coisa altruísta e, ao mesmo tempo, tão egoísta»; ou a Inês, para quem também, com os dois filhos, o Henrique, de 9 anos, e a Alice, de meses, a amamentação tem sido um processo doloroso e pouco agradável até se tornar um momento espetacular; ou a Diana, mãe da Carolina, de 9 anos, do António, de 4, e agora da Aurora, de 3 meses, para quem dar de mamar é uma dor só suportável por um imenso amor: «A minha história com a amamentação não é um conto de fadas; é antes um ensaio à resiliência, é uma ode ao sacrifício que um dia se transforma em recompensa.»

Estas são apenas cinco das muitas mães que já se dispuseram a dar rosto à sua história. A Catarina e o Tiago querem que sejam muitas mais, por esse país fora, por esse mundo fora. O projeto tem ambições, mas até agora depende apenas do voluntarismo e empenho dos seus autores. Para crescer precisa de apoios e é nesse sentido que ambos estão a trabalhar. Será que os duques de Cambridge irão aceitar o desafio lançado pelo Loove de retratar os «momentos de intimidade e amor entre SAR Catherine e o príncipe George Alexander Louis»?

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.