A casa perfeita

Álvaro Leite Siza Vieira. O filho de um dos maiores nomes da arquitectura portuguesa também projecta casas de sonho com traço único e vanguardista. E não apenas para os outros - a Casa Fez é a sua própria habitação-atelier.

«Foi preciso coragem. Persegui um ideal e concretizei o sonho de projectar a minha casa-atelier.» É com esta certeza que o arquitecto Álvaro Leite Siza Vieira abre as portas do primeiro projecto em que fez um pouco de tudo. O filho do conceituado Siza Vieira foi «arquitecto, cliente, promotor, coordenador e fiscal de obra». E desenhou os puxadores, as portas e os corrimãos do edifício.

E porque «fez» tudo, baptizou-o Casa Fez, que é também o nome da rua onde está situado no Porto. E assim conseguiu uma obra de arte ímpar e vanguardista, um projecto imponente com rigor arquitectónico, expressivo e figurativo q.b., digno de registo em manuais de arquitectura.

Desde o pormenorizado «desenho geométrico com losangos associados em diferentes ângulos» até à forma e volumetrias - organizadas por secções verticais e horizontais -, o edifício é a prova do talento de Alvarinho, como os amigos lhe chamam. Trata-se da «fusão entre rigor geométrico clássico e liberdade criativa romântica», que resultou do desenho figurativo de um arlequim. «A abstracção geométrica desta figura materializa-se na pele que envolve a totalidade do programa, sendo parte integrante do mesmo.»

Neste «laboratório de um imaginário», como o arquitecto o designa, não há lugar para caixilharias ou vidros. Há, sim, acrescenta, «mais espírito do que matéria, menos forma, mais atmosfera».

Tal como o corpo humano, constituído por cabeça, tronco e membros, também este projecto se divide em três partes, mas na horizontal: atelier, junto à rua, zona de serviços e casa, que comunica com o jardim. «É um programa que sempre considerei funcional e muito vantajoso do ponto de vista da sustentabilidade.»

Apesar de o edifício ter uma zona pública (o atelier), os habitantes gozam de privacidade na habitação graças à forma como todo o corpo está organizado. A intimidade é, aliás, um dos pontos fortes deste projecto, juntamente com a «autonomia, a qualidade da construção, a durabilidade, a manutenção, o comportamento térmico, a acústica, a segurança, a organização do espaço e a sua polivalência». Destaque ainda para a projecção de pórticos como espaços de transição e respectivos lanternins de luz natural.

Tal como noutros projectos também neste o arquitecto desenhou os candeeiros, os puxadores, as portas, os corrimãos, as pinturas e o mobiliário. Peças que se enquadram na perfeição com outras tantas de família, originárias do século XIX, dando origem a cenários, em que se respira arte, alusivos a figuras históricas como «Mozart, Leonardo da Vinci e Miguel Ângelo». Hoje, Álvaro Leite Siza Vieira continua a desenhar objectos e mobiliário, que considera «essenciais para a qualidade de vida desejada» na sua casa-atelier.

Ficha técnica da casa

Arquitecto: Álvaro Leite Siza Vieira

Ano: 2010

Localização: Foz do Douro, Porto

Área:

Habitação: 330 m2

Atelier: 270 m2

Garagem e zonas técnicas : 170 m2

Sala térmica (piso subterrâneo): 170 m2

Total: 940 m2

Perfil

Alvarinho, como é tratado pelos amigos, herdou do pai, vencedor do prémio Pritzker em 1992, o nome e o gosto pela arquitectura. Tantas vezes confundem Álvaro Leite Siza Vieira com o «nobel» que considera o feito uma referência para si e «para a Escola do Porto, para o país e para o mundo inteiro».

Mas aos 49 anos garante: «Nos nossos mundos autónomos, cada um encontrou o seu caminho, a sua voz, a forma de exprimir o que sente através desta disciplina.» Já colaborou em projectos do pai, mas foi com o mais recente galardoado com prémio máximo de arquitectura, Eduardo Souto de Moura, que, em 1992, estagiou. Dois anos depois, este portuense licenciou-se na Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto.

Do seu extenso currículo destaca-se a casa Toló, em Ribeira de Pena, vencedora, em 2005, na categoria Private Houses, nos Russian International Architectural Awards - para os quais também já foi convidado para júri. Esta habitação também foi nomeada para os England International Wallpaper Awards 2007.

A Casa de Férias em Afife e a discoteca Estado Novo em Matosinhos fazem parte dos muitos projectos que assinou, entre inúmeras publicações, documentários e participações expositivas. Já desenhou cadeiras, mesas, aparadores, louceiros e candeeiros. Também é autor de objectos utilitários para a Bienal da Prata.

Nos últimos anos, tem sido convidado por várias câmaras municipais para desenvolver projectos de museus, como o do Vinho no Cartaxo, da Água na Valada e da Fundação Manuel Cargaleiro em Vila Velha de Ródão. Todos eles estão em curso.

Ler mais

Exclusivos