Utentes do hospital de Loures exigem gestão pública

As comissões de utentes do Hospital Beatriz Ângelo, em Loures, concentraram-se hoje junto à unidade de saúde para criticar a falta de transportes públicos e exigir uma gestão pública do hospital.

Cerca de duas dezenas de representantes das comissões de utentes de Loures e de Odivelas, dois dos concelhos servidos pelo hospital, manifestaram-se pela segunda vez este ano contra a "falta de transportes públicos" para a unidade de saúde, aquela que tem sido a principal queixa dos utentes.

Contudo, as recentes Ofertas Públicas de Aquisição (OPA) lançadas ao Espírito Santo Saúde (ESS), entidade que gere em regime de parceria público privada o Hospital de Loures, motivam também "bastante preocupação" junto dos utentes, que temem que "a qualidade do atendimento seja afetada".

A ESS é atualmente detida maioritariamente pela Rioforte, empresa do Grupo Espírito Santo (GES) que, a pedido da própria, se encontra sob gestão controlada pelo Tribunal do Comércio do Luxemburgo desde o dia 29 de julho de 2014.

"O facto de existirem tantos grupos lançados para OPAS significa que a Saúde afinal é um grande negócio. Eles estão interessados no lucro e não nos utentes", afirmou à agência Lusa Henriqueta Sabino, da Comissão de Utentes dos Transportes Públicos de Loures.

Nesse sentido, a representante defendeu que o Hospital Beatriz Ângelo deverá passar para gestão pública, posição igualmente defendida pela Câmara de Loures.

Há uma semana, a Câmara de Loures aprovou uma moção a exigir a entrega da gestão do Hospital Beatriz Ângelo ao Estado, alegando exatamente a "instabilidade" vivida na Espírito Santo Saúde.

Relativamente aos transportes públicos, os utentes continuam a reivindicar pelo aumento do número de carreiras diretas para o hospital, a redução do preço dos bilhetes e a entrada de mais viaturas dentro do recinto do Beatriz Ângelo.

"As comissões vão continuar a reunir e, se a situação continuar, iremos pensar em novas formas de luta para protestar", assegurou Henriqueta Sabino.

O Hospital Beatriz Ângelo abriu em janeiro de 2012 para servir 272 mil habitantes dos concelhos de Loures, Odivelas, Mafra e Sobral de Monte Agraço.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG