Um curso apoiado por uma grande empresa é um emprego quase certo

PT, EDP, Sonae e Amorim apoiam formações nas áreas em que precisam de técnicos. Oferta lançada por Crato em 2012 como experiência-piloto passou em três anos, passou de 285 alunos para 24 57.

Num país onde a taxa de desemprego jovem chega aos 35%, os jovens começam a olhar para as formações profissionais como uma oportunidade de entrar mais cedo no mercado de trabalho. Por outro lado, as empresas queixam-se da falta de técnicos especializados e por isso grandes grupos nacionais aliaram-se às escolas para promover cursos vocacionais.

Esta via de ensino surgiu no ano letivo 2012-2013 como uma alternativa escolar mais ligada ao mundo empresarial. A experiência-piloto começou no básico e foi alargada no ano seguinte ao ensino secundário. É neste último nível de ensino que se têm potenciado as parcerias com grandes empresas como a PT, a EDP, a Sonae ou o grupo Amorim, uma vez que dão acesso a certificação profissional. Ao todo são mais de 5000 empresas que patrocinam cursos vocacionais, e o número de alunos também tem crescido: em 2012 eram 285 e agora são mais de 24 mil os alunos nesta via de ensino.

Nesta semana, a Sonae assinou um protocolo com Ministério da Educação e Ciência (MEC) de forma a apoiar mais cursos - está a patrocinar um - "de acordo com as suas necessidades em determinadas áreas técnicas", indica o comunicado da tutela. A ligação às empresas e o seu envolvimento na formação destes alunos é uma das mais-valias apontadas a esta formação.

Na Escola Secundária António Damásio, em Lisboa, existem dois cursos vocacionais apoiados por duas grandes empresas. A Portugal Telecom (PT) iniciou a parceria há dois anos e os primeiros técnicos de telecomunicação terminam em junho a formação. A outra parceria é com a EDP no curso Redes Elétricas. "As empresas ajudam-nos muito. Fornecem material para as aulas teóricas, fazemos visitas guiadas aos setores antes de começar a explicar uma matéria nova e dão formação em contexto de trabalho aos alunos durante o estágio", explica José Soalheiro, coordenador deste curso.

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG