Tribunal profere hoje sentença de sequestradores

O Tribunal de Amarante vai proferir hoje o acórdão do julgamento de cinco homens acusados de sequestro, em 2008, de um dos protagonistas do maior roubo de ouro em Portugal.

Nas alegações finais, o Ministério Público (MP) pediu em tribunal a condenação de todos os arguidos.

Segundo a acusação, "ficou provado abundantemente", em julgamento, que o sequestro, ocorrido na madrugada de 8 para 9 de Maio daquele ano incluiu momentos de tortura da vítima, com o objectivo de a obrigar a dizer onde tinha guardado o ouro.

Segundo o MP, a vítima, Ciríaco Sousa, atualmente com 52 anos, e um amigo foram abordados no Porto quando saíam de um bar, tendo sido obrigados pelos arguidos, alguns dos quais armados, a entrar na sua própria viatura.

Os homens terão sido levados num carro para um local ermo próximo da barragem de Crestuma. Ali, ainda de noite, a vítima terá sido agredida com murros e pontapés, com o intuito de a obrigar a dizer onde tinha o ouro.

No julgamento, três dos cinco arguidos confessaram terem participado no sequestro. Os dois restantes não quiseram falar ao tribunal.

Nas alegações finais, os advogados dos arguidos admitiram a participação no sequestro dos seus constituintes. Ao colectivo consideraram não terem sido provados os crimes de roubo, mas admitiram a condenação por sequestro.

Defenderam, no entanto, "uma pena não privativa da liberdade", que permita a reintegração social dos arguidos.

O maior assalto de ouro português ocorreu na madrugada de 14 Abril de 2008 a uma casa de penhores da praça Carlos Alberto, Porto, de onde foram levados 270 quilos de produtos de ourivesaria, avaliados em cerca de 15 milhões de euros.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG