Educadora de infância e auxiliar julgadas por maus tratos a crianças

Agressões terão ocorrido entre setembro de 2015 e abril de 2016 em Vendas Novas, Fiães

O Tribunal da Feira começou hoje a julgar uma educadora de infância e uma auxiliar de uma escola daquele concelho, acusadas de 25 crimes de maus tratos, cada uma, a crianças com idades entre os três e os cinco anos.

Na primeira sessão do julgamento, as arguidas optaram por remeter-se ao silêncio.

Após a identificação das arguidas e a leitura da acusação, o tribunal começou a ouvir as cerca de duas dezenas de crianças que foram arroladas como testemunhas pela acusação.

As inquirições dos meninos decorreram à porta fechada, numa sala preparada para o efeito e sem a presença das arguidas.

O juiz presidente explicou ainda que os juízes, o procurador da República e os advogados não irão usar as vestes profissionais para não criar um ambiente intimidatório aos meninos, que estarão acompanhados por um psicólogo durante as inquirições.

Segundo o despacho de acusação, os alegados maus tratos terão ocorrido entre setembro de 2015 e abril de 2016, no jardim-de-infância da escola de Vendas Novas, em Fiães, onde as arguidas trabalhavam.

De acordo com a investigação, as arguidas "agrediram física, verbal e psicologicamente as crianças, desferindo sapatadas de mão aberta nas nádegas e face, tratando-as de modo rude e agressivo".

Ainda segundo a acusação do MP, as arguidas impunham "um clima de medo", admoestando os menores com agressividade, gritando com as mesmas, e não realizavam atividades didáticas com as crianças.

Para que não fossem surpreendidas, as arguidas trancavam a porta da sala por dentro e diziam ainda às crianças que o que se passava ali não era para contar em casa, referem os investigadores.

A acusação descreve várias situações de agressões físicas e verbais ocorridas na sala do pré-escolar.

Numa dessas situações, a educadora terá pisado a mão de uma criança com o tacão do sapato, como forma de retaliação relativamente a um comportamento da menor que considerou desajustado, e numa outra terá fechado uma criança na casa de banho, trancando a porta e deixando-a sozinha.

Uma das crianças chegou mesmo a tentar fugir da escola após ter sido agredida pelas duas arguidas.

Como consequência da atitude das arguidas, o MP diz que as crianças passaram a ter sintomas de ansiedade, como perturbações do sono, pesadelos, falta de apetite, enurese, tristeza, choro fácil e diziam aos pais que não queriam ir para a escola.

O MP deduziu um pedido de indemnização civil contra as arguidas, reclamando de cada uma delas o pagamento de um montante não inferior a mil euros a cada um dos demandantes.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...