Trânsito condicionado em Lisboa devido a comemorações

A PSP anunciou hoje que vão ocorrer vários condicionamentos de trânsito em Lisboa, na quarta-feira, dia 01, devido às comemorações do 1.º de maio, aconselhando os automobilistas a escolherem percursos alternativos durante os horários indicados.

A PSP informa em comunicado que os locais afetados pelos condicionamentos são o Rossio e o Marquês de Pombal entre as 13:00 e as 15:00, o Largo Martim Moniz -- Alameda D. Afonso Henriques entre as 11:00 e as 15:00, e, todo o percurso da 32.ª Corrida Internacional 1.º de Maio, a partir das 10:00.

A prova de atletismo tem partida marcada para as 10:00 no Estádio 1.º de Maio INATEL e irá condicionar os acessos à Av. Rio de Janeiro (zona do estádio), Campo Grande, zona das Avenidas Novas, Marquês de Pombal, Av. Da Liberdade, Restauradores, Rossio, arruamentos da Baixa, Martim Moniz, Av. Almirante Reis, Praça Francisco Sá Carneiro (Areeiro), Av. De Roma e Alvalade.

Às 11:00 concentra-se, na Praça Luís de Camões, o "Mayday Lisboa 2013", deslocando-se para o Largo Martim Moniz, local onde, às 13:30, a União dos Sindicatos de Lisboa e a Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses -- Intersindical Nacional (CGTP-IN), seguem em desfile, a partir das 15:00, até à Alameda D. Afonso Henriques.

Às 13:00, na Praça do Rossio, a União de Sindicatos Independentes organiza uma concentração com atuação de ranchos folclóricos, enquanto na Av. 5 de Outubro, a Federação Nacional da Educação se manifesta junto do Ministério da Educação, deslocando-se para a Praça do Marquês de Pombal pelas 14:00.

Às 15:00, no Marquês de Pombal, pela Av. da Liberdade, em direção à Praça dos Restauradores, começa o desfile alusivo às comemorações do Dia do Trabalhador, organizado pela União Geral de Trabalhadores.

A PSP declara que todos os principais pontos de corte estarão devidamente acautelados por polícias.

Exclusivos

Premium

Legionela

Maioria das vítimas quer "alguma justiça" e indemnização do Estado

Cinco anos depois do surto de legionela que matou 12 pessoas e infetou mais de 400, em Vila Franca de Xira, a maioria das vítimas reclama por indemnização. "Queremos que se faça alguma justiça, porque nunca será completa", defende a associação das vítimas, no dia em que começa a fase de instrução do processo, no tribunal de Loures, que contempla apenas 73 casos.