Toxina no leite "não põe em causa" a saúde pública

O Governo dos Açores assegurou que "não está em causa" qualquer questão relacionada com a saúde pública na sequência de notícias relativas à presença da toxina aflatoxina M1 em alguuns lotes de leite na região.

A RTP/Açores revelou ontem que o grupo Bel Fromageries retirou na sexta-feira lotes de leite UHT do mercado por ter sido detetada a presença de aflatoxina M1, que resulta do aparecimento de bolor num cereal utilizado nas rações.

Uma nota do gabinete de imprensa do Governo dos Açores divulgada na noite de ontem refere que a Secretaria Regional dos Recursos Naturais tem "acompanhado" e "monitorizado", através do Laboratório Regional de Veterinária, a situação identificada, visando a "avaliação da eficácia" das "várias medidas preventivas" quanto à comercialização de leite UHT produzido na ilha de São Miguel e "corretivas no que toca à produção de rações na mesma ilha, que "foram" e "estão a ser implementadas" pelos diversos intervenientes.

Ainda de acordo com a mesma nota, no que concerne às rações produzidas com o lote de milho proveniente da Bulgária, identificado como sendo a "causa desta situação", as mesmas foram "recolhidas de circulação" e "vão ser destruídas", bem como "reforçados os mecanismos de controlo" relativos à alimentação animal.

No que concerne ao leite UHT produzido na ilha de São Miguel, não "estando em causa", pelas "quantidades e pelos níveis envolvidos", aferidos pelas normas internacionais, "qualquer questão" relacionada com a saúde pública, o Governo dos Açores considera que o procedimento seguido pelas indústrias de lacticínios que comercializam leite UHT, e que consiste na retirada desse leite da distribuição, "constitui o procedimento preventivo adequado" à corrente situação.

"Regista-se, assim, a correta implementação das medidas preventivas adequadas à salvaguarda dos elevados padrões de qualidade e segurança do leite dos Açores. Não obstante, o Governo dos Açores mantém a monitorização da presente situação no sentido de garantir a eficácia e o cumprimento das medidas implementadas pelos diversos intervenientes", conclui a nota do executivo açoriano.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG