Torre de Belém encerrada por razões de segurança

Vidros partidos permitiram entrada de humidade, que danificou sistema de eletricidade

A Torre de Belém, em Lisboa, encontra-se encerrada por motivos de segurança devido ao mau tempo e danos provocados pelas marés vivas, indicou hoje à agência Lusa fonte da Direção-Geral do Património Cultural (DGPC).

De acordo com a mesma fonte, trata-se de uma "situação temporária, que tem a ver com o mau tempo, tendo em conta a localização da torre", junto à margem do rio Tejo, e que "está a ser resolvida, com a reparação de alguns estragos".

A Torre de Belém está encerrada desde 28 de fevereiro devido às condições climáticas adversas que provocaram danos na ponte de acesso ao monumento, entretanto reparados.

No entanto, "as marés vivas e o posterior agravamento do estado do tempo provocaram quebra de vidros nas vigias, dando entrada de humidade que danificou o sistema de eletricidade", segundo a DGPC.

Estes danos estão a ser reparados, e o monumento deverá abrir "assim que as condições do tempo o permitirem", indicou a mesma fonte.

No ano passado, a Torre de Belém registou 575.875 entradas, menos 16% do que em 2016, devido à introdução de uma política de limitação de entradas, por questões de segurança.

Construída no século XVI como torre de defesa da barra do Tejo, a partir da ocupação Filipina os antigos paióis deram lugar a masmorras, tornando-se ao longo do tempo um dos ícones da imagem arquitetónica histórica da capital.

Está classificada como património nacional desde 1907, e património mundial pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) desde 1983.

Exclusivos

Premium

Alentejo

Clínicos gerais mantêm a urgência de pediatria aberta. "É como ir ao mecânico ali à igreja"

No hospital de Santiago do Cacém só há um pediatra no quadro e em idade de reforma. As urgências são asseguradas por este, um tarefeiro, clínicos gerais e médicos sem especialidade. Quando não estão, os doentes têm de fazer cem quilómetros para se dirigirem a outra unidade de saúde. O Alentejo é a região do país com menos pediatras, 38, segundo dados do ministério da Saúde, que desde o início do ano já gastou mais de 800 mil euros em tarefeiros para a pediatria.