"Tenho a certeza de que o corpo do João está no Tejo"

João Medeiros, 24 anos, desapareceu há dois anos. O pai continua convencido de que o filho está no rio. Da prisão, ex-líder dos Hammerskins, Mário Machado, diz agora que está morto.

Primeiro, surgiu a hipótese de que João Medeiros, 24 anos, tinha desaparecido voluntariamente na madrugada de 7 de fevereiro de 2013, depois de ter saído sozinho da discoteca Urban Beach, em Lisboa, às 4.13 da manhã. Em simultâneo, a PJ admitia o cenário de que teria sido raptado. Depois, que podia ter sido vítima de um crime violento, apesar de não existirem indícios nenhuns no local, nem sangue, nem cabelos, nem roupa. Nada. Por último, e apenas sete dias depois do desaparecimento, foi considerada a hipótese de o jovem de ter caído ao rio e ordenaram-se as buscas no Tejo. Mas o rio nada devolveu e uma sonda que foi usada só detetou pedras no fundo das águas escuras.

Dois anos depois, a família do jovem açoriano continua sem respostas e aponta "falhas" à investigação. "Tenho a certeza de que o corpo do meu filho está no Tejo", afirmou, em declarações ao DN, Pedro Medeiros, o pai do jovem desaparecido."A hipótese de ter caído ao rio devia ter sido a primeira a ser colocada e foi a última. Ainda hoje isso me faz confusão", sublinhou o professor, residente em Ponta Delgada, capital da ilha açoriana de São Miguel. O pai de João Tiago esteve esta semana no Porto e em Lisboa, a visitar os outros dois filhos e em contacto com os advogados que estão com o caso. Porque o processo continua aberto e assim vai continuar até haver a resposta para a pergunta: o que aconteceu ao João Tiago Medeiros na madrugada de 7 de fevereiro de 2013?

Leia mais pormenores na edição impressa ou no e-paper do DN.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG