"Telefones não param de tocar" para ver Sócrates em conferência

Convite para colóquio sobre política e justiça foi feito na prisão

"O telefone não para de tocar, acredito que a casa vai encher." O convite a José Sócrates para participar amanhã em Vila Velha de Ródão num colóquio sobre a relação entre política e justiça - tema que marca o último ano do ex-primeiro-ministro, arguido na Operação Marquês e que saiu da prisão domiciliária há uma semana - partiu de Maria do Carmo Sequeira e de António Carmona, ex-autarca e atual líder do PS local, que o visitaram no Estabelecimento Prisional de Évora. "O convite foi aceite primeiro porque ele tem direito à defesa em público. Em segundo, porque mantém um laço afetivo muito forte com o seu distrito, com o interior", diz Maria do Carmo Sequeira.

As estruturas do PS não estão envolvidas nesta organização

António Carmona é o presidente da Comissão Política Concelhia de Vila Velha de Ródão, mas tal como o próprio sublinha, "não é nessa condição que estamos a organizar a vinda de José Sócrates. As estruturas do PS não estão envolvidas nesta organização". António Carmona e Maria do Carmo Sequeira, ex-autarca de Vila Velha de Ródão e ex-deputada do PS pelo distrito de Castelo Branco, respetivamente, visitaram o ex-primeiro-ministro no Estabelecimento Prisional de Évora. A amizade que os une vem dos anos 80, quando Sócrates foi candidato à JS distrital, continuou quando liderou a federação distrital e fortaleceu quando foi eleito deputado pelo círculo eleitoral de Castelo Branco. "Quando chegou ao governo não virou as costas ao interior e manteve aqui muitos amigos", confirma Maria do Carmo Sequeira.

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG