Taxa de desemprego ultrapassou as expectativas

Número de 9,8% é o estimado para abril. "Esperava para mais tarde esta descida", acrescenta

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, afirmou esta terça-feira que a taxa de desemprego de 9,8% estimada para abril ultrapassou as expectativas, fazendo votos para que continue o momento "que parece francamente bom da economia".

"Tenho de admitir, embora continuando com os pés bem assentes na terra, que os números ultrapassam novamente o que era esperado. Esperava para mais tarde esta descida, mas já ocorreu em abril e, pelos vistos, está consolidada. Eu esperaria mais para o fim do ano", disse Marcelo Rebelo de Sousa.

Segundo a estimativa provisória divulgada hoje pelo Instituto Nacional de Estatística, a taxa de desemprego em Portugal manteve-se nos 9,8% em abril, inalterada face ao valor registado em março.

"Aquilo que podemos desejar é que este momento, que parece francamente bom na economia portuguesa, continue, em termos de investimento, exportações, crescimento e emprego", acrescentou o chefe de Estado, em declarações aos jornalistas no final de uma visita ao Centro de Desenvolvimento da Criança Torrado da Silva do Hospital Garcia de Orta, em Almada.

Antes de terminar a visita àquela unidade no Hospital Garcia de Orta, que se dedica ao acompanhamento de crianças com problemas de desenvolvimento, o Presidente da República ainda proporcionou uma viagem de limusine a um jovem de 13 anos, João Ribeiro, com um grave de problema de saúde de origem genética.

Um sonho cumprido com o patrocínio do Presidente da República, a título pessoal, que ainda fez questão de o acompanhar o pequeno João Ribeiro durante o início do percurso.

Exclusivos

Premium

Contramão na autoestrada

Concessionárias querem mais formação para condutores idosos

Os episódios de condução em sentido contrário nas autoestradas são uma realidade recorrente e preocupante. A maioria envolve pessoas idosas. O tema é sensível. Soluções mais radicais, como uma idade para deixar de conduzir, avaliação médica em centros específicos, não são consensuais. As concessionárias das autoestradas defendem "mais formação" para os condutores acima dos 70 anos.