Reformados acampam à porta do primeiro-ministro

Dirigentes e activistas das estruturas de reformados Inter-Reformados e MURPI vão acampar simbolicamente à porta do primeiro-ministro na quinta-feira, no âmbito de uma acção de protesto contra a degradação das condições de vida dos pensionistas.

"Queremos chamar a atenção do Governo para o agravamento das condições de vida da maioria dos reformados que tem vindo a perder poder de compra devido ao congelamento das pensões e aumento do custo de vida, situação que se vai agravar com o aumento dos transportes e do IVA", disse à agência Lusa Fátima Canavezes, coordenadora da Inter-Reformados.

Esta estrutura de reformados da CGTP e o Movimento Unitário de Reformados, Pensionistas e Idosos vão concentra-se junto à residência oficial de primeiro-ministro, Passos Coelho, para o tentar sensibilizar para a situação dos reformados.

"Não queremos esmolas, queremos dignidade porque fizemos os nossos descontos para a Segurança Social e temos direito a pensões dignas", afirmou Fátima Canavezes salientando que a redução dos apoios sociais também tem contribuindo para o agravamento das condições de vida dos reformados.

A acção de protesto de quinta-feira não será uma concentração tradicional pois os seus promotores pretendem instalar, simbolicamente, no local "um acampamento de férias" para mostrar que a maioria dos reformados não têm condições para fazer uns dias de férias mas gostaria de o fazer.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG