Morreu em perseguição policial e era sobrinho de PSP

Um jovem de 18 anos que morreu sábado à tarde após uma perseguição policial era sobrinho de um agente da PSP da Esquadra de Bela Vista, em Setúbal. O rapaz vivia neste bairro e sua morte levou à exaltação dos ânimos dos moradores que cercaram a esquadra, que foi obrigada a pedir reforço.

O jovem que, como confirmou ao DN fonte policial, era sobrinho de um agente da esquadra da Bela Vista, circulava de mota na zona das Manteigadas (nas proximidades do Bairro da Bela Vista) e foi mandado parar pelas autoridades, alegadamente porque não tinha capacete. Como não obedeceu à ordem, a PSP disparou tiros para o ar. O rapaz acabou por morrer mas, segundo a polícia, terá sido na sequência do despiste que sofreu e não dos disparos feitos.

O DN contactou o Comando da PSP de Setúbal, mas foi-nos dito que não podiam prestar declarações.

Contactado pelo DN, o presidente da Associação Sindical dos Profissionais da Polícia, Paulo Rodrigues, disse que "foram disparado tiros de shotgun, mas ao que tudo indica, não terão atingido o jovem, que acabou por se despistar. Agora se o despiste aconteceu por se ter assustado com os tiros ao até mesmo por ter sido atingido por uma das balas que, recorde-se, são de borracha, isso já não sei."

Os populares é que não têm dúvidas de que o rapaz foi mortalmente atingido e, revoltados, cercaram a esquadra da PSP da Bela Vista, que foi reforçada por mais agente policiais, nomeadamente e, segundo Paulo Rodrigues, por 30 elementos do Corpo de Intervenção.

Ao DN, fonte da PJ garantiu que tiveram conhecimento do ocorrido através da comunicação social. E que ao contactar com a PSP para fazer o que se passava na realidade, foi-lhes dito que a situação "não requeria a intervenção da PJ".

O corpo da vítima foi transportado para a morgue do Hospital de Setúbal e só a autópsia dirá a cauda da morte, se os disparos ou se o despiste.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG