Videovigilância do Bairro Alto já está instalada

O sistema de videovigilância do Bairro Alto, em Lisboa, está instalado, moradores e comerciantes anseiam pela sua entrada em funcionamento, mas a Câmara e a PSP não avançam uma data para isso acontecer.

Em declarações à agência Lusa, o gabinete do vereador da Proteção Civil, Manuel Brito, afirmou que pretende ter o sistema em funcionamento "o mais brevemente possível".

Em falta está, por parte da Câmara, a certificação elétrica do sistema, que se prevê que seja emitida na primeira semana de setembro, e, por parte da PSP, a conclusão da ligação à Rede Nacional de Segurança Interna, para que a polícia possa visualizar as imagens.

Depois disto, e logo que "os operadores da PSP recebam uma formação específica, de curta duração, o sistema poderá entrar em funcionamento".

Para moradores e comerciantes, a questão é urgente. Luís Paisana, da Associação de Moradores do Bairro Alto, disse que os residentes estão "um pouco cansados da espera, e não percebem por que é isto está a demorar tanto tempo".

Luís Paisana afirmou ainda que "há alguns moradores que estão a contestar a instalação de uma câmara, porque, aparentemente, ela filma uma zona de habitação".

A autarquia confirmou à Lusa que recebeu uma queixa, mas garantiu que "existe um barramento que impede que os agentes da PSP possam visualizar o interior das habitações".

Também para a Associação de Comerciantes do Bairro Alto, a videovigilância "faz falta ao bairro". Hilário Castro, presidente, disse à Lusa que os comerciantes consideram "urgentíssima" a entrada em funcionamento do sistema.

"É um fator de inibição dos grupos que se organizam ao fim de semana. Vem facilitar a vida das autoridades e dar-lhes uma maior capacidade de resposta, nomeadamente a atos de vandalismo e agressões", acrescentou.

As 27 câmaras que compõem o sistema de videovigilância do Bairro Alto começaram a ser instaladas em janeiro, depois de, no fim de 2012, a Câmara ter assinado contrato com a Navserver, a empresa que ganhou o concurso público, com um orçamento de cerca de 200 mil euros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Alemanha

Lar de Dresden combate demência ao estilo Adeus, Lenin!

Uma moto, numa sala de cinema, num lar de idosos, ajudou a projetar memórias esquecidas. O AlexA, na cidade de Dresden, no leste da Alemanha, tem duas salas dedicadas às recordações da RDA. Dos móveis aos produtos de supermercado, tudo recuperado de uma Alemanha que deixou de existir com a queda do Muro de Berlim. Uma viagem no tempo para ajudar os pacientes com demências.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.