Videovigilância do Bairro Alto já está instalada

O sistema de videovigilância do Bairro Alto, em Lisboa, está instalado, moradores e comerciantes anseiam pela sua entrada em funcionamento, mas a Câmara e a PSP não avançam uma data para isso acontecer.

Em declarações à agência Lusa, o gabinete do vereador da Proteção Civil, Manuel Brito, afirmou que pretende ter o sistema em funcionamento "o mais brevemente possível".

Em falta está, por parte da Câmara, a certificação elétrica do sistema, que se prevê que seja emitida na primeira semana de setembro, e, por parte da PSP, a conclusão da ligação à Rede Nacional de Segurança Interna, para que a polícia possa visualizar as imagens.

Depois disto, e logo que "os operadores da PSP recebam uma formação específica, de curta duração, o sistema poderá entrar em funcionamento".

Para moradores e comerciantes, a questão é urgente. Luís Paisana, da Associação de Moradores do Bairro Alto, disse que os residentes estão "um pouco cansados da espera, e não percebem por que é isto está a demorar tanto tempo".

Luís Paisana afirmou ainda que "há alguns moradores que estão a contestar a instalação de uma câmara, porque, aparentemente, ela filma uma zona de habitação".

A autarquia confirmou à Lusa que recebeu uma queixa, mas garantiu que "existe um barramento que impede que os agentes da PSP possam visualizar o interior das habitações".

Também para a Associação de Comerciantes do Bairro Alto, a videovigilância "faz falta ao bairro". Hilário Castro, presidente, disse à Lusa que os comerciantes consideram "urgentíssima" a entrada em funcionamento do sistema.

"É um fator de inibição dos grupos que se organizam ao fim de semana. Vem facilitar a vida das autoridades e dar-lhes uma maior capacidade de resposta, nomeadamente a atos de vandalismo e agressões", acrescentou.

As 27 câmaras que compõem o sistema de videovigilância do Bairro Alto começaram a ser instaladas em janeiro, depois de, no fim de 2012, a Câmara ter assinado contrato com a Navserver, a empresa que ganhou o concurso público, com um orçamento de cerca de 200 mil euros.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.