Videovigilância do Bairro Alto já está instalada

O sistema de videovigilância do Bairro Alto, em Lisboa, está instalado, moradores e comerciantes anseiam pela sua entrada em funcionamento, mas a Câmara e a PSP não avançam uma data para isso acontecer.

Em declarações à agência Lusa, o gabinete do vereador da Proteção Civil, Manuel Brito, afirmou que pretende ter o sistema em funcionamento "o mais brevemente possível".

Em falta está, por parte da Câmara, a certificação elétrica do sistema, que se prevê que seja emitida na primeira semana de setembro, e, por parte da PSP, a conclusão da ligação à Rede Nacional de Segurança Interna, para que a polícia possa visualizar as imagens.

Depois disto, e logo que "os operadores da PSP recebam uma formação específica, de curta duração, o sistema poderá entrar em funcionamento".

Para moradores e comerciantes, a questão é urgente. Luís Paisana, da Associação de Moradores do Bairro Alto, disse que os residentes estão "um pouco cansados da espera, e não percebem por que é isto está a demorar tanto tempo".

Luís Paisana afirmou ainda que "há alguns moradores que estão a contestar a instalação de uma câmara, porque, aparentemente, ela filma uma zona de habitação".

A autarquia confirmou à Lusa que recebeu uma queixa, mas garantiu que "existe um barramento que impede que os agentes da PSP possam visualizar o interior das habitações".

Também para a Associação de Comerciantes do Bairro Alto, a videovigilância "faz falta ao bairro". Hilário Castro, presidente, disse à Lusa que os comerciantes consideram "urgentíssima" a entrada em funcionamento do sistema.

"É um fator de inibição dos grupos que se organizam ao fim de semana. Vem facilitar a vida das autoridades e dar-lhes uma maior capacidade de resposta, nomeadamente a atos de vandalismo e agressões", acrescentou.

As 27 câmaras que compõem o sistema de videovigilância do Bairro Alto começaram a ser instaladas em janeiro, depois de, no fim de 2012, a Câmara ter assinado contrato com a Navserver, a empresa que ganhou o concurso público, com um orçamento de cerca de 200 mil euros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.