Trânsito condicionado na Baixa e Chiado no fim de semana

As zonas da Baixa e do Chiado, em Lisboa, vão ter, durante o fim de semana, alguns condicionamentos de trânsito, no âmbito da evocação dos 25 anos do incêndio que, em 1988, destruiu aquela zona da cidade.

Em comunicado, a Câmara de Lisboa faz saber que no sábado, entre as 15:00 e as 24:00, a rua Garrett será interdita ao trânsito a partir do cruzamento com a rua Ivens, e sugere que os veículos sigam pela Calçada do Sacramento para o Carmo e para o Príncipe Real.

Também a rua Serpa Pinto estará fechada à circulação viária, a partir do cruzamento com a rua Capelo. A autarquia sugere que os veículos sigam no sentido da rua Vitor Cordon.

Na manhã de domingo haverá ainda outros condicionamentos pontuais. Entre as 08:30 e as 10:45 haverá restrições à circulação automóvel nas seguintes áreas: Rossio/rua do Carmo/rua Garrett/calçada do Sacramento/rua Nova do Almada/rua do Crucifixo/rua Ivens/largo do Carmo/praça do Município.

As alterações à circulação e os respetivos desvios de trânsito serão devidamente coordenadas no local pela Polícia Municipal ou pela PSP e será sempre permitida a circulação de veículos de emergência.

A Câmara de Lisboa vai assinalar os 25 anos passados sobre o incêndio que devastou o Chiado com exposições, um simulacro, o descerramento de uma placa evocativa e o lançamento de livros.

A 25 de agosto de 1988, um incêndio deflagrou nos extintos Armazéns Grandella, no Chiado, destruiu vários edifícios históricos, provocou mais de meia centena de feridos e duas vítimas mortais, ganhando lugar na memória coletiva como uma das piores catástrofes que assolaram a capital portuguesa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.