Suspeitos de homícidio há 13 anos em liberdade

Os três homens suspeitos de há 13 anos terem matado a tiro um jovem de 28 anos ficaram em liberdade com apresentações periódicas às autoridades, disse hoje à Lusa fonte da PJ.

Os homens, com idades entre os 38 e os 46 anos, foram ouvidos ao longo de várias horas pelo Tribunal de Faro na quarta-feira depois de terem sido detidos pela Judiciária por suspeitas do homicídio de Jorge Nascimento. O caso remonta a 2 de Fevereiro de 1998, dia em que a vítima foi interceptada no trajecto do trabalho para casa, em Faro, onde foi obrigado a levantar dinheiro numa caixa multibanco. Na altura, as autoridades suspeitavam que o crime tivesse sido cometido por toxicodependentes que frequentavam a zona onde a vítima residia, mas a PJ acredita agora que o crime foi "passional" e "premeditado".

Segundo explicou à Lusa o responsável pela directoria do Sul da PJ, Luís Mota Carmo, a namorada de Jorge Nascimento tinha sido ex-namorada de um dos detidos, que chegou a ser ouvido no processo. Quando o crime aconteceu os indícios apontavam o roubo como móbil, por ter sido levantado dinheiro em Portugal e no Sul de Espanha, país onde a imagem dos suspeitos ficou registada por câmaras de videovigilância.

Depois de terem feito um levantamento num multibanco em Faro, os arguidos conduziram Jorge Nascimento a um local ermo em São Brás de Alportel, onde o mataram, tendo depois abandonado o cadáver junto à fronteira, refere a PJ. Jorge Nascimento tinha 28 anos, residia com os pais em Faro e trabalhava como técnico superior no Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP) de Loulé.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.