Raças de gatos raros conquistam criadores portugueses

A raça de gatos Spinx, que se caracteriza por não ter pêlo, tem vindo a conquistar os criadores portugueses nos últimos anos.

Manuela Galeão, criadora desta raça há apenas 2 anos, juntamente com mais 140 criadores, marca presença na 9.ª Exposição Internacional de Felinos em Elvas.

São cerca de duzentos gatos de 24 raças diferentes, desde Persas, Exóticos, Bosques da Noruega, Maine Coon, Bengal ou Azul Russo, que integram a 9.ª Exposição Felina Internacional de Elvas, que abriu hoje ao público.

"Esta raça de gato tem origem no Canadá e a sua principal característica física é não ter pêlo, o que faz com que sejam excelentes para termos em casa e fáceis de tratar", disse Manuela Galeão à agência Lusa.

Os gatos Spinx causam estranheza aos demais pelo seu aspecto invulgar. "As pessoas olham com estranheza para eles. Chamam-lhes feios e esquisitos, mas é só até lhes tocarem. Depois do toque conquistam-nos, porque têm uma pele muito suave", afirmou a criadora.

Manuela Galeão tem actualmente 9 gatos de raça Spinx. "A procura tem vindo a aumentar no nosso país. Os preços variam entre os 850 e os 1.500 euros", referiu à agência Lusa.

A 9.ª Exposição de Felinicultura Internacional de Elvas é já uma referência a nível europeu e reúne anualmente os principais criadores de gatos provenientes de diferentes países europeus.

A exposição internacional decorre até domingo, no Centro de Negócios Transfronteiriço da cidade raiana de Elvas, numa organização do Clube Português de Felinicultura, com o apoio do município local.

Em Portugal, as raças de gatos mais comuns são os "Europeus, Persas e Bosques da Noruega", afirmou João Noronha, presidente do Clube Português de Felinicultura.

No entanto, há raças que correm o risco de se perderem. "Os Siameses e os Orientais são os gatos que mais dificuldade temos em encontrar. Existem apenas três criadores no nosso país. Tem sido necessário trabalhar junto dos donos e meter sangue novo para não se perderem", disse João Noronha.

Durante dois dias, o público tem a oportunidade de apreciar raças de gatos como Persas, Exóticos, Bosques da Noruega, Maine Coon, Sagrados da Birmânia, Europeus, Abissínios, Brithish, Chartreux, Azul Russo, Somali, Bengal, Siameses ou os Orientais.

A entrada do público é gratuita e a exposição decorre até às 18.30 de domingo.

O Clube Português de Felinicultura, único órgão reconhecido oficialmente em Portugal nesta área, é detentor do Livro de Origens Português e membro da Federação Internacional Felina (FIF), o maior órgão felino a nível mundial.

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."