Partem de cavalo para tradicional romaria

Centenas de romeiros participam, a partir de quarta-feira e até domingo, na tradicional Romaria a Cavalo entre Moita e Viana do Alentejo, iniciativa que começa a transformar-se num produto turístico que interessa a empresas do setor.

"Temos alguns sinais, de empresas ligadas à atividade turística, de começar a caminhar" nesse sentido e que "até já contactaram" a organização para "criarem um produto que acompanhará a romaria", revelou hoje o presidente do município da Moita, João Manuel Lobo.

Não sendo propriamente romeiros, acrescentou, as pessoas interessadas em comprar esse pacote turístico podem desfrutar das experiências vividas no percurso, associando-o também "ao lazer e ao descanso".

Também o presidente do município de Viana do Alentejo, Bernardino Bengalinha Pinto, garantiu que a iniciativa desperta cada vez mais interesse. "Tive a informação de que há um agente turístico que tem alguns lugares vendidos, numa charrete da Moita a Viana do Alentejo", frisou.

No que respeita aos romeiros, a iniciativa já conta com grupos de vários pontos do país, como de "Guimarães ou Viseu", e até do estrangeiro: "Este ano, há uns vizinhos espanhóis interessados".

A 12.ª edição da romaria foi hoje apresentada em Évora, numa conferência de imprensa da comissão organizadora, que inclui as duas câmaras municipais, a Associação dos Romeiros da Tradição Moitense e a Associação Equestre de Viana do Alentejo.

O evento, que é ainda apoiado pela Turismo do Alentejo e pela Turismo de Lisboa e Vale do Tejo, deverá contar com "cerca de 300 inscritos", mas envolve mais pessoas, devido ao apoio logístico que a viagem requer.

A iniciativa retoma uma antiga tradição de caráter religioso da vila da Moita, que fazia deslocar centenas de romeiros, com os seus animais, a Viana do Alentejo.

Os romeiros pretendiam que os animais fossem benzidos durante uma procissão em honra de Nossa Senhora d'Aires, padroeira dos animais, e pediam proteção para boas colheitas.

Depois de décadas sem se realizar, a tradição foi retomada no ano 2000, juntando centenas de participantes que partem da Moita e, após quatro dias de viagem por caminhos de terra batida, chegam a Viana do Alentejo.

Na vila alentejana são, como habitualmente, esperadas milhares de pessoas, que participam também nas cerimónias religiosas no âmbito da romaria, as quais decorrem no sábado e no domingo.

Para Bengalinha Pinto, trata-se de um importante evento que, "além da animação", leva "algum retorno do ponto de vista económico à restauração e alojamentos do concelho".

O presidente da Turismo do Alentejo, Ceia da Silva, também destacou a "importância estratégica e promocional" da iniciativa, que vai "para além da romaria".

"A romaria em si está 'vendida'. O que se pretende é que a romaria crie dinâmicas capazes de assegurar uma promoção turística, para todo o ano, a ambos os concelhos", frisou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.