Parquímetros geram contestação na Caparica

Os fiscais municipais são acusados de promover a caça  à multa e prejudicarem o turismo. Parque não tem avisos que estacionamento é pago

Os concessionários da Costa de Caparica estão indignados com a ECALMA (Empresa Municipal de Estacionamento e Circulação de Almada), acusando-a de estar a "prejudicar o turismo" da cidade, multando sem contemplações todos os automobilistas que estacionam as viaturas no novo parque e que não pagam o parquímetro. O advogado dos concessionários alerta que há "desonestidade" da autarquia de Almada, uma vez que "não há nenhum aviso de que o parque é pago", pelo que ameaça avançar com uma providência cautelar.

Os dois fiscais que a ECALMA tem destacados no local não têm tido mãos a medir para tanta multa ao longo desta semana de sol, que está a ser aproveitada por muitos banhistas para irem à Costa, mas é fácil perceber que a maioria dos automobilistas não repara que acabou de estacionar num parque - com um total de 700 lugares - que é pago. Carlos Matos, que estava a almoçar no restaurante do "Barbas" foi alertado por um funcionário do estabelecimento, de que a sua viatura estava a ser autuada, mas quando lá chegou já não havia nada a fazer, porque o envelope com a correspondente coima já estava preso entre a escova e o pára-brisas.

"Ainda disse ao rapaz que ia meter uma moeda, mas respondeu-me que está a cumprir ordens e lá vou ter pagar mais de seis euros", lamentou ao DN, tendo sido apenas um dos quatro autuados no espaço de 15 minutos nas traseiras da praia do CDS.

Para o advogado dos concessionários, Paulo Cunha, "a ECALMA vai ter de mudar a sua atitude porque está a prejudicar as pessoas." De acordo com o jurista, que já se reuniu com o administrador da empresa municipal, o parque não se situa numa área urbana.

"Basta ver que não há ali casas. Depois eles querem taxar de uma ponta a outra, além de que começaram a cobrar sem qualquer aviso ou pedagogia. As pessoas não sabem que aquilo já está a funcionar", alerta Paulo Cunha.

Uma fonte da ECALMA revelou terem os parquímetros entrado em vigor no mês passado, depois de um período de um mês de pedagogia, alertando que as placas estão devidamente colocadas. A empresa, que começou intransigente, não exclui a possibilidade de rever o actual estado de coisas.

Uma argumentação que não convence os concessionários, que reclamam, pelo menos, dois lugares para cada estabelecimento. "É o mínimo que podemos oferecer aos clientes", admite Paulo Cunha, sugerindo ainda que os parquímetros funcionem apenas na época balnear, Natal, Carnaval e Páscoa.

Carlos Tomás, responsável por um dos bares da praia, aponta que "se o negócio já está tão difícil, isto só vai agravar a vida de quem aqui trabalhar", refere, alegando que "nenhuma praia tem esta caça à multa. É inacreditável e já somos nós que avisamos os clientes para que estejam atentos."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?