Nevoeiro atrasou recomeço das busca em Sagres

(Corrigido às 13.10) O intenso nevoeiro atrasou este domingo o recomeço das buscas para localizar o piloto e a aeronave que se despenhou na sexta-feira ao largo de Sagres, no Algarve, com os trabalhos a serem retomados às 09:30, disse a Autoridade Marítima local.

"As buscas estão a iniciar-se, estava muito nevoeiro, mas agora começou a dissipar-se", afirmou à Lusa o capitão do porto de Lagos, comandante Carvalho Pinto.

A mesma fonte disse que "foi montado um segundo sonar lateral do Instituto Hidrográfico na lancha salva-vidas Diligente, da estação de Sagres", que "chegou durante a noite com dois operadores" e vai também ser utilizado nas buscas.

O segundo dia de buscas terminou no sábado sem resultados, apesar de, durante a tarde, a Polícia Marítima (PM) ter empenhado nos trabalhos uma embarcação com sonar lateral e cinco elementos do seu grupo de mergulho forense, que ainda realizaram um mergulho "na zona de um possível contacto", mas sem resultados, disse na ocasião o comandante.

O objetivo das autoridades é utilizarem os dois sonares para "alargar o campo de buscas", adiantou o capitão do porto e Autoridade Marítima de Lagos.

Na sexta-feira, após a queda da aeronave, o capitão do porto de Lagos revelou que tinham sido encontrados alguns objetos, nomeadamente calçado, documentos da aeronave e do tripulante e destroços do aparelho, como uma roda e fragmentos da fuselagem.

A mesma fonte disse, também, desconhecer os motivos que originaram a queda da aeronave, "não se sabendo se o intenso nevoeiro que existia na zona teve alguma relação" com o acidente.

As buscas realizam-se a sul do Porto da Baleeira, em Sagres, onde se presume que esteja a aeronave, numa profundidade entre os 22 e os 30 metros.

A avioneta Cessna despenhou-se cerca das 11:00 de sexta-feira e era pilotada por um homem português que, até agora, se encontra desaparecido.

(Corrige identificação da fonte, que é a Autoridade Marítima de Lagos e não a Marinha)

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.