MP acusou dois médicos e uma enfermeira de S. José

O Ministério Público acusou dois médicos e uma enfermeira do Hospital de S. José, em Lisboa, de ofensa à integridade física por negligência, informou hoje a Procuradoria-geral Distrital de Lisboa (PGDL).

Segundo a página da PGDL na Internet, durante uma intervenção cirúrgica, realizada a 12 de janeiro de 2009 naquela unidade hospitalar, dois médicos e uma enfermeira não respeitaram a contagem das compressas utilizadas na intervenção, tendo deixado uma alojada no abdómen da paciente.

A compressa só foi localizada através de uma Tomografia Axial Computorizada (TAC) o que obrigou a nova cirurgia à paciente, realizada a 06 de fevereiro de 2009.

A acusação foi deduzida no dia 09 deste mês e o inquérito foi conduzido pelo Departamento de Investigação e Ação penal (DIAP).

Para a PGDL, foi "indiciada a falta de observância do dever do cuidado por parte dos três arguidos, cuidados de que eram capazes e a que estavam obrigados".

A demora na acusação, deduzida mais de três depois dos factos, deveu-se, segundo a PGDL, à necessidade de realização de exames periciais e recolha de prova documental.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.