MP acusa jovem de 21 anos de matar outro por 40 euros

O Ministério Público (MP) acusou um jovem de 21 anos de homicídio qualificado, por ter matado um homem que lhe devia 40 euros, com pontapés na cabeça, no pescoço e na nuca.

No despacho de acusação, a que a Agência Lusa teve acesso, na tarde de 7 de abril de 2011, após procurar o ofendido em vários locais, o arguido entrou, pelas 15:30, num café situado na Avenida do Século, em Samora Correia (Benavente), onde bebeu uma cerveja. Ao aperceber-se de que a vítima se aproximava do local numa moto, o agressor saiu do estabelecimento e deu-lhe uma bofetada, fazendo-a cair.

Aproveitando-se do facto de António Afonso estar no chão, Vasco Rio desferiu-lhe diversos pontapés nas zonas das costas, pescoço e cabeça, enquanto exigia o dinheiro que este lhe devia, refere o despacho.

Após ter sido atingido com um último pontapé na nuca, a vítima desfaleceu. A acusação sustenta que, enquanto agredia o ofendido, o jovem dirigiu várias palavras intimidatórias às pessoas presentes, para as impedir de intervirem.

Depois de constatar que António Afonso tinha perdido os sentidos, Vasco Rafael Simões do Rio parou com as agressões e afastou-se do local, indica a Acusação

Em consequência das agressões, a vítima sofreu a rutura de uma artéria e hemorragia cerebral. Foi transportada para o Hospital de Santa Maria, em Lisboa, onde permaneceu em coma, até falecer no dia seguinte, em resultado das lesões provocadas pelas agressões do arguido.

Defende o MP que o agressor quis, e conseguiu, atingir com fortes pontapés várias zonas vitais do corpo do ofendido, com o objetivo de lhe retirar a vida, o que veio a acontecer.

De acordo com o despacho de acusação, o arguido decidiu matar António Afonso, apenas por este lhe dever uma reduzida quantia de dinheiro, sabendo que tal motivo era desprezível e fútil. Agiu de forma deliberada, livre e consciente.

Vasco Rio está acusado pelo MP de um crime de homicídio qualificado, punível de 12 a 25 anos de prisão. O início do julgamento está agendado para 12 de abril, pelas 09:15, no Tribunal de Benavente.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...