MP acusa jovem de 21 anos de matar outro por 40 euros

O Ministério Público (MP) acusou um jovem de 21 anos de homicídio qualificado, por ter matado um homem que lhe devia 40 euros, com pontapés na cabeça, no pescoço e na nuca.

No despacho de acusação, a que a Agência Lusa teve acesso, na tarde de 7 de abril de 2011, após procurar o ofendido em vários locais, o arguido entrou, pelas 15:30, num café situado na Avenida do Século, em Samora Correia (Benavente), onde bebeu uma cerveja. Ao aperceber-se de que a vítima se aproximava do local numa moto, o agressor saiu do estabelecimento e deu-lhe uma bofetada, fazendo-a cair.

Aproveitando-se do facto de António Afonso estar no chão, Vasco Rio desferiu-lhe diversos pontapés nas zonas das costas, pescoço e cabeça, enquanto exigia o dinheiro que este lhe devia, refere o despacho.

Após ter sido atingido com um último pontapé na nuca, a vítima desfaleceu. A acusação sustenta que, enquanto agredia o ofendido, o jovem dirigiu várias palavras intimidatórias às pessoas presentes, para as impedir de intervirem.

Depois de constatar que António Afonso tinha perdido os sentidos, Vasco Rafael Simões do Rio parou com as agressões e afastou-se do local, indica a Acusação

Em consequência das agressões, a vítima sofreu a rutura de uma artéria e hemorragia cerebral. Foi transportada para o Hospital de Santa Maria, em Lisboa, onde permaneceu em coma, até falecer no dia seguinte, em resultado das lesões provocadas pelas agressões do arguido.

Defende o MP que o agressor quis, e conseguiu, atingir com fortes pontapés várias zonas vitais do corpo do ofendido, com o objetivo de lhe retirar a vida, o que veio a acontecer.

De acordo com o despacho de acusação, o arguido decidiu matar António Afonso, apenas por este lhe dever uma reduzida quantia de dinheiro, sabendo que tal motivo era desprezível e fútil. Agiu de forma deliberada, livre e consciente.

Vasco Rio está acusado pelo MP de um crime de homicídio qualificado, punível de 12 a 25 anos de prisão. O início do julgamento está agendado para 12 de abril, pelas 09:15, no Tribunal de Benavente.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.