Mais de dois milhões de euros furtados por carteiristas

A polícia recebeu mais de 5700 queixas por furtos de carteiristas cometidos em Lisboa, durante 2013, o que representa um prejuízo superior a dois milhões de euros, segundo um relatório policial a que a agência Lusa teve acesso.

"O valor dos bens subtraídos e declarados por parte das vítimas em 5779 crimes ascende os 2.042.354,90 euros. Existe [ainda] uma cifra negra em relação ao valor declarado e o valor real dos bens subtraídos. Por vezes, as vítimas não atribuem valor aos objetos subtraídos", refere um relatório da Divisão de Investigação Criminal de Lisboa, datado de 22 de julho.

Analisando os dados do relatório, verifica-se que janeiro e fevereiro foram os meses em que ocorreram menos furtos (271 e 320 respetivamente), enquanto junho (613) e agosto (671) registaram o maior número deste tipo de crimes.

Em cada um dos meses de junho, julho e agosto foram furtados bens superiores a 200 mil euros. Os três meses representam 670 mil euros do total dos mais de dois milhões de euros de prejuízos.

Sábado foi o dia da semana em que ocorreu o maior número de furtos por carteiristas.

O período do dia em que ocorreu um elevado número de furtos situa-se entre as 12:00 e as 20:00. No entanto, a partir de abril, o período das 08:00 às 12:00, teve um aumento substancial na prática destes furtos.

O relatório justifica o número de furtos registados entre as 00:00 e as 04:00, em junho, com a "existência das festas dos santos populares e festivais de verão ao ar livre", que decorreram na cidade de Lisboa.

As vítimas de nacionalidade estrangeira "foram os alvos preferidos" dos carteiristas ao longo de 2013, à exceção de janeiro e fevereiro, meses em que houve mais vítimas de nacionalidade portuguesa.

Numa análise particular sobre as vítimas de nacionalidade portuguesa, as mulheres são o "alvo preferido dos carteiristas", representando o dobro relativamente aos homens portugueses.

Em relação às vítimas estrangeiras, não há uma grande diferença entre homens e mulheres. Março é a exceção, mês em que houve uma elevada discrepância: 96 homens e 166 mulheres vítimas de furto.

Os dados demonstram ainda que as vítimas têm idade igual ou superior a 21 anos, sendo a faixa etária entre os 51 e os 65 anos, a que se destaca ligeiramente em relação às restantes.

"Com esta análise, pretende-se obter uma melhor caracterização do modo de atuação, características dos suspeitos e das vítimas, sinalizar os locais mais fustigados e o grupo data/hora em que ocorre o maior fluxo de furto por carteirista", salienta o relatório.

Para a polícia, estes dados "permitirão direcionar o policiamento e a tomada de medidas de prevenção mais eficazes".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.