Mais de dois milhões de euros furtados por carteiristas

A polícia recebeu mais de 5700 queixas por furtos de carteiristas cometidos em Lisboa, durante 2013, o que representa um prejuízo superior a dois milhões de euros, segundo um relatório policial a que a agência Lusa teve acesso.

"O valor dos bens subtraídos e declarados por parte das vítimas em 5779 crimes ascende os 2.042.354,90 euros. Existe [ainda] uma cifra negra em relação ao valor declarado e o valor real dos bens subtraídos. Por vezes, as vítimas não atribuem valor aos objetos subtraídos", refere um relatório da Divisão de Investigação Criminal de Lisboa, datado de 22 de julho.

Analisando os dados do relatório, verifica-se que janeiro e fevereiro foram os meses em que ocorreram menos furtos (271 e 320 respetivamente), enquanto junho (613) e agosto (671) registaram o maior número deste tipo de crimes.

Em cada um dos meses de junho, julho e agosto foram furtados bens superiores a 200 mil euros. Os três meses representam 670 mil euros do total dos mais de dois milhões de euros de prejuízos.

Sábado foi o dia da semana em que ocorreu o maior número de furtos por carteiristas.

O período do dia em que ocorreu um elevado número de furtos situa-se entre as 12:00 e as 20:00. No entanto, a partir de abril, o período das 08:00 às 12:00, teve um aumento substancial na prática destes furtos.

O relatório justifica o número de furtos registados entre as 00:00 e as 04:00, em junho, com a "existência das festas dos santos populares e festivais de verão ao ar livre", que decorreram na cidade de Lisboa.

As vítimas de nacionalidade estrangeira "foram os alvos preferidos" dos carteiristas ao longo de 2013, à exceção de janeiro e fevereiro, meses em que houve mais vítimas de nacionalidade portuguesa.

Numa análise particular sobre as vítimas de nacionalidade portuguesa, as mulheres são o "alvo preferido dos carteiristas", representando o dobro relativamente aos homens portugueses.

Em relação às vítimas estrangeiras, não há uma grande diferença entre homens e mulheres. Março é a exceção, mês em que houve uma elevada discrepância: 96 homens e 166 mulheres vítimas de furto.

Os dados demonstram ainda que as vítimas têm idade igual ou superior a 21 anos, sendo a faixa etária entre os 51 e os 65 anos, a que se destaca ligeiramente em relação às restantes.

"Com esta análise, pretende-se obter uma melhor caracterização do modo de atuação, características dos suspeitos e das vítimas, sinalizar os locais mais fustigados e o grupo data/hora em que ocorre o maior fluxo de furto por carteirista", salienta o relatório.

Para a polícia, estes dados "permitirão direcionar o policiamento e a tomada de medidas de prevenção mais eficazes".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.