Jovem arrastado por agueiro continua por encontrar

Caparica As autoridades retomaram ontem as buscas para encontrar o jovem arrastado por um agueiro na praia da Saúde, Costa de Caparica, na tarde de quarta- -feira. Até à hora de fecho desta edição, o corpo não tinha sido encontrado.

O jovem, de cerca de 20 anos, desapareceu na praia da Saúde, por volta das 15.40, depois de ter sido arrastado por um agueiro, uma corrente formada pela rebentação das ondas, avançou o adjunto do capitão do porto, Teixeira Pereira. No momento em que o jovem foi arrastado, outras duas pessoas também o foram, tendo sido resgatadas, no entanto, pelo nadador-salvador. Segundo contam testemunhas, o rapaz terá tentado resgatar uma menina de dez anos dos agueiros e acabou por ser ele próprio arrastado.

Teixeira Pereira afirmou ainda que a praia é vigiada e que tinha sido hasteada a bandeira amarela, alertando os banhistas para a presença de correntes fortes no mar.

Este é o quinto caso de afogamento registado na Costa de Caparica desde o início da época balnear, mais um do que durante toda a época balnear do ano passado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...